sábado, maio 13, 2017

A História se Repete

A história se repete
Por Paulo Botelho
“Não temos provas, mas convicção”. – É o que diz Deltan Dallagnol, procurador da República e subordinado do juiz Sérgio Moro, a respeito de indiciamentos do presidente Lula sobre o apartamento do Guarujá e do sítio de Atibaia.
Em “O Dezoito Brumário de 1852” o filósofo Karl Marx escreve: “A história se repete, a primeira vez como tragédia e a segunda como farsa”.
Foi Tomás de Torquemada, padre dominicano, nascido em Ávila – Espanha, no ano de 1420, o mais temível representante da Inquisição. Torquemada promoveu uma feroz caçada contra agiotas, judeus, homossexuais, bruxas e hereges. E morreu em casa, de morte natural, em  1498 depois de receber todos os sacramentos da Igreja Católica.
O juiz Sérgio Moro, é um Torquemada  provinciano;  um inquisidor que já tem pronta uma sentença dentro do bolso.   A tentativa de anular Lula do cenário político será o desfecho dessa “operação-moralizadora” apelidada de Lava-Jato.  –  É a história que se repete.
Em um IPM (Inquérito Policial Militar), conduzido por um primário e truculento capitão-de-exército, foi a vez do presidente Juscelino Kubitschek (JK). O capitão-inquisidor exigia que JK fizesse uma confissão admitindo ser dono de um prédio no Rio. JK não admitiu. Alguns dias se passaram e o jornal “O Globo” em sua edição de 24/6/64 publica a seguinte manchete em sua primeira página: “Investigações constatam que Juscelino Kubitschek é dono do prédio da Avenida Vieira Souto, em Copacabana”.
Já se utilizava , naquele tempo e nos dias atuais,  a repetida estratégia do nazista Goebbels: “Diga uma mentira e insista nela para se transformar em uma verdade”.
JK morreu, poucos anos  depois, pobre,  em um acidente de carro muito suspeito na Rodovia Presidente Dutra no sentido Rio-São Paulo.
Se convicção vale, este escritor confessa – sem pressão ou ameaça – que é dono da Torre Eiffel, situada bem no meio da Avenue Anatole France, em Paris.
Paulo Augusto de Podestá Botelho é Consultor de Empresas e Escritor. www.paulobotelho.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário