sábado, novembro 20, 2010

Vídeo para ouvir e rezar

Encontrei este vídeo que mistura tudo numa coisa só: bela oração e belas paisagens. Viaje e admire as belezas de Deus e da natureza.

sexta-feira, novembro 19, 2010

Música - Sarah Brightmann

Para quem gosta da boa música - o que é boa música? - aqui vai a indicação de um vídeo com parte - 24 minutos - de um show que a grande cantora Sarah Brightman fez na China.
Para ver o vídeo clique no link acima com o nome dela.
Se você entender de chinês pode traduzir os letreiros, se não entender é só admirar a beleza da voz e da música.

quinta-feira, novembro 18, 2010

Aquarela do Brasil

Veja/ouça este belo vídeo com a música "Aquarela do Brasil" interpretada pelo Perpetuum Jazzile, da Eslovênia.
Admirem a interpretação da música sem nenhum sotaque estrangeiro.
Veja a página do grupo na Internet e ouça outras músicas: Perpetuum Jazzile

quarta-feira, novembro 17, 2010

Filme: Scott Pilgrim versus The World.

Tenho lido muitas mensagens pelo Twitter sobre este tal de Scott Pilgrim versus The World e como estava curioso para saber que o era isso descobri este trailer do filme, apesar de estar em inglês e sem dublagem


terça-feira, novembro 16, 2010

Cervejinhas das quintas-feiras

Atendendo a uma reclamação do e-mail recebido do Dom Palito, um dos leitores assíduos do Blog do Tachinha e das cervejinhas:


Prezado Sr. Coordenador-Geral
Grão-Mestre Ta X inha,

Ontem passei pela Savassi e não vi ninguém naquela mesma mesa de toda 5ª-feira.
A cerveja foi cancelada? Foi decidido em assembléia geral estraordinária? Havia quórum?

Na portinha do Tachinhas não está mais aparecendo as notícias sobre a cerveja de cada semana?
Quê qui tá contecendo, cumanhêro?

Sds.

Dom Palito
Cardeal Emérito de BH

Na cervejinha do dia 11 de novembro só estiveram presentes o Amaury, Antônio Márcio (Bangalão), Tachinha e Maria Tereza.
Na do dia 4 de novembro estiveram presentes, da esquerda para a direita, na primeira foto: Amaury, de costas; Jaburu, Geraldo Tadeu (Tadeu), Vicente (Pinga), Sames Mary, vendedora de bombons; Tachinha e Carlos Augusto (Coelhinho)

 No mesmo dia, foto abaixo: Luiz Guilherme, Carlos Augusto (Coelhinho), Tachinha, Amaury, Jaburu, Geraldo Tadeu e Maria Tereza (ex-Coral Gregoriano de Belo Horizonte)

No dia 28 de outubro apareceram: Jaburu, Amaury, Fernando Rosa (Periquito), Célio Gonçalves, Tachinha e Renê Ferraz.
No dia 21 de outubro apareceram: Carlos César (Palito), Jaburu, Maria Tereza (ex-Coral Gregoriano), José Lembi, Amaury, Carlos César (Coelhinho), Tachinha e um casal amigo do Renê Ferraz.
No dia 14 de outubro apareceram: Aloísio Tirado (Jaó), Antônio Vale (Cogumelo), Amaury e Tachinha.
No dia 8 de outubro apareceram: Jaburu, João Campos, Tachinha, Paulo Petermann, Carlos César (Palito) e Amaury.
No dia 1 de outubro, foto abaixo, apareceram: Amaury, Fernando Rosa (Periquito), Francisco Della Croce (Chico Dela), Geraldo Magela (Serrote), Tachinha e Carlos César (Palito).
Para contrabalançar esta postagem com notícias de interesse do Enfrades - ex-seminaristas franciscanos - veja esta página com a beleza da Igreja de São Francisco, em Salvador, Bahia, Brasil.
Usando as setas e o mouse você pode se maravilhar com todo o seu esplendor.

Piada de mineiro

Leia abaixo uma piada de "mineirim", jeca da roça que mora no interior do estado de Minas Gerais.
Um mineirinho inteligente vindo da roça, lá prás banda de Patiminas, se candidatou a um emprego numa grande loja de departamentos da cidade.
Na verdade era a maior loja de departamentos do mundo, tudo podia ser comprado nessa loja.
O gerente perguntou ao rapaz:
- Você já trabalhou alguma vez na vida?
- Sim, eu fazia negócios na roça .
O gerente gostou do jeito simpático do mineiro e disse:
- Pode começar amanhã, e no final da tarde venho verificar como você se saiu.
O dia foi longo e árduo para o rapaz.
As 17:30 o gerente se acercou do novo empregado para verificar sua produtividade e perguntou:
Quantas vendas você fez hoje?
- Uma !
- Só uma? A maioria dos meus vendedores faz de 30 a 40 vendas por dia.
De quanto foi a venda que você fez?
- Dois milhões e meio de reais.
- Como você conseguiu isso?!?
- Bem, o cliente entrou na loja e eu lhe vendi um anzol pequeno, depois  um anzol médio e finalmente um anzol bem grande. Daí eu lhe vendi uma linha fina de pescar, uma de resistência media e uma bem
grossa, para pescaria pesada. Eu lhe perguntei onde ele ia pescar e ele me disse  que ia fazer pesca oceânica. Eu sugeri que talvez fosse precisar de um barco, então eu o acompanhei até seção de náutica e lhe vendi uma lancha importada, de primeira linha. Aí eu disse a ele que talvez um carro pequeno não fosse  capaz de puxar a lancha, levei-o a seção de carros e lhe vendi uma caminhonete com tração nas quatro
rodas.
O gerente levou um susto e perguntou:
- Você vendeu tudo isso a um cliente que veio aqui para comprar um
pequeno anzol?
- Não senhor, ele entrou aqui, na verdade, querendo um pacote de
modess para a esposa, aí eu falei:
-'Uai, já que seu fim de semana tá perdido mesmo, que tal uma pescaria?'

Dica de página:
Veja este endereço onde você encontra links para mais de 6.500 jornais de 189 países: NETPAPERS

segunda-feira, novembro 15, 2010

Caso de justiça???


Envio abaixo o e-mail recebido do José Eduardo, também conhecido como Dado.

"Quem se lembra do juiz que entrou na justiça contra o condomínio em que mora, por causa do tratamento de "'você" dado pelo porteiro?
Pois é, leiam abaixo a sentença que foi proferida a respeito. Observem a bela redação, sucinta, bem argumentada, até solidária do juiz Alexandre Eduardo Scisinio para com o juiz que se queixa, mas...uma verdadeira aula de Direito e de Português!

Processo distribuido em 17/02/2005, na  9ª  vara cível de Niterói - RJ

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - COMARCA DE NITERÓI - NONA VARA CÍVEL

Processo n° 2005.002.003424- 4

S E N T E N Ç A

Cuidam-se os autos de ação de obrigação de fazer manejada por ANTONIO MARREIROS DA SILVA MELO NETO contra o CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO LUÍZA VILLAGE e JEANETTE GRANATO, alegando o autor fatos precedentes ocorridos no interior do prédio que o levaram a pedir que fosse tratado formalmente de "senhor".

Disse o requerente que sofreu danos, e que esperava a procedência do pedido inicial para dar a ele autor e suas visitas o tratamento de ' Doutor, senhor"  "Doutora, senhora", sob pena de multa diária a ser fixada judicialmente, bem como requereu a condenação dos réus em dano moral não inferior a 100 salários mínimos. (...)

DECIDO: "O problema do fundamento de um direito apresenta-se diferentemente conforme se trate de buscar o fundamento de um direito que se tem ou de um direito que se gostaria de ter." (Noberto Bobbio, in "A Era dos Direitos", Editora Campus, pg. 15).

Trata-se o autor de Juiz digno, merecendo todo o respeito deste sentenciante e de todas as demais pessoas da sociedade, não se justificando tamanha publicidade que tomou este processo.

Agiu o requerente como jurisdicionado, na crença de seu direito. Plausível sua conduta, na medida em que atribuiu ao Estado a solução do conflito.

Não deseja o ilustre Juiz tola bajulice, nem esta ação pode ter conotação de incompreensível futilidade. O cerne do inconformismo é de cunho eminentemente subjetivo, e ninguém, a não ser o próprio autor, sente tal dor, e este sentenciante bem compreende o que tanto incomoda o probo Requerente.

Está claro que não quer, nem nunca quis o autor, impor medo de autoridade, ou que lhe dediquem cumprimento laudatório, posto que é homem de notada grandeza e virtude. Entretanto, entendo que não lhe assiste razão jurídica na pretensão deduzida.

"Doutor" não é forma de tratamento, e sim título acadêmico utilizado apenas quando se apresenta tese a uma banca e esta a julga merecedora de um doutoramento. Emprega-se apenas às pessoas que tenham tal grau, e mesmo assim no meio universitário. Constitui-se mera tradição referir-se a outras pessoas de 'doutor', sem o ser, e fora do meio acadêmico.

Daí a expressão doutor honoris causa - para a honra -, que se trata de título conferido por uma universidade à guisa e homenagem a determinada pessoa, sem submetê-la a exame.

Por outro lado, vale lembrar que "professor" e "mestre" são títulos exclusivos dos que se dedicam ao magistério, após concluído o curso de mestrado. Embora a expressão "senhor" confira a desejada formalidade às comunicações - não é pronome -, e possa até o autor aspirar distanciamento em relação a qualquer pessoa, afastando intimidades, não existe regra legal que imponha  obrigação ao empregado do condomínio a ele assim se referir.

O empregado que se refere ao autor por "você", pode estar sendo cortês, posto que "você" não é pronome depreciativo. Isso é formalidade, decorrente do estilo de fala, sem quebra de hierarquia ou incidência de insubordinação. Fala-se segundo sua classe social. O brasileiro tem tendência na variedade coloquial relaxada, em especial a classe "semi-culta" , que sequer se importa com isso.

Na verdade "você" é variante - contração da alocução - do tratamento respeitoso "Vossa Mercê". A professora de linguística Eliana Pitombo Teixeira ensina que os textos literários que apresentam altas freqüências do pronome "você", devem ser classificados como formais. Em qualquer lugar desse país, é usual as pessoas serem chamadas de "seu" ou "dona", e isso é tratamento formal.

Em recente pesquisa universitária, constatou-se que o simples uso do nome da pessoa substitui o senhor/a senhora e você quando usados como prenome, isso porque soa como pejorativo tratamento diferente. Na edição promovida por Jorge Amado "Crônica de Viver Baiano Seiscentista", nos poemas de Gregório de Matos, destacou o escritor que Miércio Táti anotara que "você" é tratamento cerimonioso. (Rio de Janeiro, São Paulo, Record, 1999).

Urge ressaltar que tratamento cerimonioso é reservado a círculos fechados da diplomacia, clero, governo, judiciário e meio acadêmico, como já se disse. A própria Presidência da República fez publicar Manual de Redação instituindo o protocolo interno entre os demais Poderes. Mas na relação social não há ritual litúrgico a ser obedecido. Por isso que se diz que a alternância de "você" e "senhor" traduz-se numa questão sociolingüística, de difícil equação num país como o Brasil de várias influências regionais.

Ao Judiciário não compete decidir sobre a relação de educação, etiqueta, cortesia ou coisas do gênero, a ser estabelecida entre o empregado do condomínio e o condômino, posto que isso é tema interna corpore daquela própria comunidade.

Isto posto, por estar convicto de que inexiste direito a ser agasalhado, mesmo que lamentando o incômodo pessoal experimentado pelo ilustre autor, julgo improcedente o pedido inicial, condenando o postulante no pagamento de custas e honorários de 10% sobre o valor da causa. P.R.I. Niterói, 2 de maio de 2005.

ALEXANDRE EDUARDO SCISINIO
Juiz de Direito
Não é que, neste país ainda existem juristas honrados e cultos!

Nem tudo está perdido...
É por esta e por outras futilidades é que os tribunais andam abarrotados de processos.
Até onde chega a pequenez humana!               

domingo, novembro 14, 2010

Fotos em slideshow

Veja este slideshow com as fotos da festa dos 25 anos do Postulantado da Cruz de São Damião, realizada no dia 7 de novembro de 2010, em São João del Rei.
O postulantado é uma das etapas da formação dos frades franciscanos.
Você pode fazer um slideshow das suas fotos neste endereço que descobri hoje: Trip Advisor


25 Anos do Postulantado Slideshow: Altair’s trip from Belo Horizonte, State of Minas Gerais, Brazil to Sao Joao del Rei was created by TripAdvisor. See another Sao Joao del Rei slideshow. Create a free slideshow with music from your travel photos.