sábado, maio 16, 2009

Cervejinha de quinta-feira: 14 de maio de 2009.

A cervejinha desta quinta-feira contou com as presenças de: Jaburu, Alex Fantini, Paulo Petermann, Tachinha, Amaury, Carlos Augusto (Coelhinho), Antônio Márcio (Bangalão), Noraldino (Chibeta), Quinho (filho do João Marques - Cri), José Derval, Antônio Vale (Cogumelo), Gilberto Zanoli.

sexta-feira, maio 15, 2009

Enterro do cardiologista

A "notícia" deste enterro foi enviada pelo Thúlio Trivelli, nosso amigo do Enfrades.

O ENTERRO DO CARDIOLOGISTA

Um cardiologista muito conhecido morreu.
Seu funeral foi muito pomposo,e muitos dos seus colegas médicos compareceram.
Durante o velório, um enorme "coração" rodeado de coroas de flores permaneceu atrás do caixão.
Após as últimas palavras do padre, o coração se abriu e o caixão entrou automaticamente no enorme coração, emocionando todos os presentes.. O coração então se fechou, levando no seu interior o famoso médico para SEMPRE...
Um dos presentes explodiu na gargalhada, causando surpresa e indignação. Questionado por que ria, ele explicou:
- Desculpem-me.... Por favor, desculpem-me... É que eu estava pensando como seria meu próprio funeral... SOU GINECOLOGISTA.
Nesse momento, o proctologista desmaiou...

terça-feira, maio 12, 2009

Artigo do Eduardo Machado: Além da Lei.

Leia abaixo mais um artigo enviado pelo Eduardo Machado, coordenador de Pastoral do Colégio Imaculada, de Belo Horizonte, e participante do programa do José Lino, na Rádio Itatiaia, 95,7 FM e pela Internet, de 10 às 11h30m.

Além da Lei

Apesar de ter sido um péssimo aluno em tudo que envolvesse números, fórmulas e cálculos, sempre tive uma paradoxal admiração pelas ciências ditas exatas. Acho que eu intuía na Matemática, e, em especial, na Física, uma janela permanentemente aberta para o mistério. Por essa janela, era possível sonhar o universo.
Aliás, matemáticos, físicos, químicos tem, em sua origem, uma ligação visceral com a Filosofia que, mais que sonhar, convida a pensar o universo.
Esse pensar produziu momentos na História, como em determinados períodos da Idade Média, em que a Química se confundia com a Alquimia, matemáticos e físicos eram vistos com desconfiança, confundidos com bruxos e druidas, como aconteceu com Galileu e sua luneta
Albert Einstein, um dos gênios da Humanidade, foi também um grande sonhador, pensador e humanista. Aliás, a área onde ele expressou sua genialidade, a Física, é mesmo para quem gosta de pensar, como fazem meus amigos, Paulo César e Marco Túlio, ambos professores de Física, também grandes pensadores e humanistas.
O PC e o Jabá sempre me ensinaram a pensar para além dos números e das fórmulas que, ao pé da letra (ou do número) correm o risco de engessar e limitar o mistério a desvendar. Com eles tenho aprendido que a equação da vida é, sempre, muito mais que um X.
Dizem que Einstein, também fazia isso com seus alunos. Mesmo quando analisava regras precisas, como a Terceira Lei de Newton, ele costumava ir além da Lei.
Conta a lenda que numa aula, ele explicava aos alunos este princípio formulado pelo grande físico inglês:
“A uma ação sempre se opõe uma reação igual, em sentido contrário. Toda vez que um corpo A exerce uma força sobre um corpo B, este também exercerá uma força de mesma intensidade, na mesma direção e em sentido oposto...”
E, fixando seus alunos, Einstein sorriu e concluiu:
“A vida é como jogar uma bola na parede. Se a bola for jogada fraca, ela voltará fraca. Se a bola for jogada com força, ela voltará com força:
Por isso, nunca jogue uma bola na vida da forma que não esteja pronto para recebê-la de volta. A vida não dá nem empresta; não se comove, nem se apieda. Tudo quanto ela faz é retribuir e transferir aquilo que nós lhe oferecemos”.
A Matemática, a Física e outras disciplinas ficaram marcadas em mim, por causa de um mau professor na 5ª série, com o rótulo da frieza precisa e insensível dos números. Por isso foram enquadradas na área das Ciências chamadas Exatas. Será?
Hoje, contemplando o chão dos meus dias, em meio a um momento de angústia, penso comigo: o que há de exato nessa vida?
Na dúvida, recorro aos poetas:
“Vida louca, vida breve. Se não posso te levar, quero que você me leve...”, canta, ferino, o Cazuza.
“Tudo certo, como dois e dois são cinco...” , proclama, irônico, o Caetano.
Eu, aprendiz de poeta, limitado e impreciso, busco exatidão em sentimentos, que não se limitam por lei alguma, naquilo que “não tem governo, nem nunca terá...”, como sussurra, ternamente, o Chico Buarque...
Mas a mística me socorre. Em mim há algo que diz que os sentimentos devem ser regidos, sim, por uma lei maior, que nem Newton, nem Einstein, nem o PC nem o Jabá ignoram: a Lei do Amor.
Santo Agostinho a formulou assim; “Ama e faz o que quiseres”.
O apóstolo Paulo, na sua carta aos coríntios, foi ainda além. Colocou o amor como a mais importante das virtudes. E garantiu: “O amor nunca vai se acabar”.
CQD!
Encontro aí uma ponte entre a Espiritualidade e as leis da Física, que regem o universo. E quando falo em espiritualidade, não estou me referindo a nenhuma Igreja ou Religião em particular, embora respeite todas. Refiro-me à Espiritualidade como fazia Einstein, apontando para uma vivência cósmica.
Nesse sentido, Espiritualidade é a consciência de que sou parte de algo maior, de que participo de um Todo. A mística cristã revela que esse Todo, na sua essência, é Amor e, na prática, participar dele tem como caminho privilegiado a vivência da solidariedade. E “o solidário não quer solidão”, como me ensina o Fernando Brant.
Assim, ser espiritual é ser com e para o outro.
Na mística cristã, o meu berço espiritual, Deus revela-se unidade trinitária onde não cabe a solidão, o isolamento. Deus, desde sempre, é relação. Na Trindade, o Espírito é o catalisador que, reagindo com o Pai e o Filho, transborda. A Criação é amor transbordante, é Deus rebatendo nele mesmo, como a bola na parede, gerando e criando amor (vida) à sua volta. Amor que Ele é, vive e nos convida a viver.
Uma pessoa que despertou para sua dimensão espiritual é alguém que não se vê separada do Outro, da Comunidade, do Universo. Se experimentamos em profundidade essa lei de pertença amorosa, a vida ganha outro sentido ético, outro valor e outra prática. Quer exemplos?
Eu pergunto: em sã consciência você colocaria fogo no seu corpo? Se você se sente não-separado do outro, se ele, com você, é parte desse todo amoroso, você colocaria fogo em alguém que estivesse dormindo no banco de uma praça? Ou agrediria alguém de qualquer forma?
Você adotaria uma política que gerasse desemprego, sofrimento, humilhação, degradação? Seria capaz de ficar indiferente à dor, à fome, à miséria a que estão condenados milhões e milhões de seres humanos, exatamente como você.
E se você se sentisse não-separado da Natureza, iria poluí-la, empestear rios e mares, destruir ecossistemas inteiros num ímpeto neurótico dessa nova ‘religião’ que prega o progresso a qualquer custo?
Repito; você agrediria a Natureza se se sentisse não-separado dela?
Nos últimos tempos temos visto progressos extraordinários na inventividade tecnológica, na capacidade criativa do Homem. Criamos máquinas portentosas, que nos alongam e facilitam a vida, ampliam nossos sentidos de forma inimaginável. Vemos e ouvimos mais longe, graças a instrumentos de comunicação que nos colocam em contato, em tempo real, com o mundo inteiro.
No entanto, temos dificuldades em ouvir as pessoas que estão ao nosso lado. Não temos tempo para conversar com os filhos, para visitar aquela pessoa querida, para jogar conversa fora, num fim de tarde, “sem lenço e sem documento...”
Sentirmo-nos parte de algo maior é nossa viva motivação para sermos melhores e para fazermos melhores os que estão caminhando conosco.
Atirar a bola em direção à vida, ou melhor, em direção ao outro, com suavidade, graça e beleza. Recebê-la de volta, dividi-la, multiplicar os toques e fazer o jogo fluir sem agressividade ou neurose competitiva.
As leis da Física, confirmam a lei da espiritualidade: o amor é uma reação em cadeia.
O amor é preciso, é exato. Em todas as leis, em todos os sentidos.

Eduardo Machado
Maio de 2009

segunda-feira, maio 11, 2009

Ganhador do BBB9 é vítima de assalto.

Você, possivelmente, recebeu ou vai receber o e-mail abaixo dando a notícia (obviamente que é falsa) com a arapuca para os curiosos cairem e pegar vírus com a informação do "assalto" que o Max foi "vítima"

Ganhador do BBB9 " Max " é vitima de assalto em São Paulo Max ganhador do BBB9 levou 2 tiros depois de reagir a assalto na grande são paulo. Max esta internado em estado grave e corre risco de vida ...
Clique aqui ou na foto acima para exibir o vídeo.
Caso não consiga visualizar o vídeo acima baixe uma
atualização do plugin Windows Media Player


Clique aqui para baixar a atualização.

Outro e-mail que recebi foi o do "envio" de fotos tiradas num motel? O engraçado é que o endereço hhsl.gov.cn é de um órgão público da China.

Obviamente se você receber um e-mail deste tipo e tiver a curiosidade de clicar nas "tais" fotos não sei se vai ver alguma coisa mas, com certeza vai pegar um vírus "suíno" (H1N1).

Anexo na cama: hhsl.gov.cn ( 386,7 KB ) na banheira.jpg ( 227,8 KB ) na cozinha.jpg (187,1 KB ) de quatro.jpg ( 98,8 KB ) ( 34,6 KB ) na cadeira.jpg ( 210,9 KB )
Nossa foi demais ter passado o dia com você no motel, que dia podemos ir de novo?
Deleta essas fotos depois que ver elas, ou entao grave em cd.. mas não deixe no seu e-mail, pode ser perigoso.
Me liga mais tarde porque preciso falar com você ! Beijos.

O engraçado é que o meu Blog recebe visitas de alguém que também recebeu tais e-mails e, como são inteligentes e expertos eles pesquisam primeiro alguma informação sobre tais assuntos antes para não cair nas armadilhas.