segunda-feira, maio 04, 2009

Artigo do Frei Cristóvão: A Crise Global (I)

Leia abaixo mais um artigo enviado pelo Frei Cristóvão:

A CRISE GLOBAL (I)

A NATUREZA DA CRISE

É a questão crucial de fundo: trata-se de uma crise de percurso do sistema capitalista ou é o próprio sistema que não se sustenta mais? Suas contradições põem risco sua própria sobrevivência? Temos que ser inventivos no processo de criação de um novo paradigma de produção/consumo, além do mercado e da concorrência, caso queiramos garantir a sobrevivência do Planeta do qual também asseguramos a nossa sobrevivência,

Duas tendências:

1ª - As crises são ocorrências normais no sistema capitalista.
2ª - Trata-se de uma crise sistêmica. Atingimos o limite final do sistema econômico movido pelo produtivismo consumista que tem como meta o lucro para o capital. Seria, então, uma crise sistêmica e não periférica e sazonal.

1ª. Crise periférica, ocasional. (Teoria Econômica Clássica)

Desde 1780 o sistema capitalista cunhado de produtivista- consumista passou por 46 crises. Elas constituem fatores de aperfeiçoamento do próprio sistema; momentos de correção de seus erros e excessos. A proposta de solução é injetar enormes quantias de fundos públicos em socorro de instituições financeiras. È o que defende e divulga a grande imprensa (Entre nós o todo-poderoso ex-ministro do Regime Militar, Delfim Neto e a comentarista econômica Miriam Leitão. A equipe econômica do governo Lula reza pela mesma cartilha). (Cf. Análise de Conjuntura, CNBB: 2009).

No mais, se desconhece ou procurar ocultar os custos humanos em termos de qualidade de vida das grandes multidões excluídas da lógica do mercado, sem poder aquisitivo que sirva de amparo às intempéries de uma crise mais prolongada.

O Histórico
O sistema não tem atributo de perenidade. Tem sua origem no séc.13; estruturou-se nos séc. XVI-XVIII com a revolução industrial; consolidando-se com as revoluções política e cultural do séc. XIX. No séc. XX atinge sua maturidade com o processo de globalização (Idem, ibidem).

Suas diferentes formas:

1.Mercantilismo
2.Liberal
3.Imperialista-Colonial
4.De Bem-Estar Social e Neoliberal.

Tendo diferentes pólos: cidades italianas, Amsterdã, Londres, Nova York. Pequim seria a próxima? Sempre acompanhado por grandes crises sociais e políticas, em grande escala, resolvidas por meio de guerras! A grande questão: ele sobreviverá no séc. XXI?

Frei Cristóvão Pereira OFM.
freicristovao@gmail.com

P.S: Conheça do Canto Gregoriano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário