sábado, fevereiro 23, 2008

Oferta de emprego: habilite-se

Esta oferta de emprego foi enviada, por e-mail, pelo Dante (Elefante) e pelo jeito eu imagino que tem muitos e muitos candidatos. Você se habilita?

Candidato ao emprego

Um desempregado mineiro comparece ao SINE, em Belo Horizonte, para ver se havia algum emprego para ele. Chegando lá, viu um cartaz escrito "Precisa-se de assistente de ginecologista".

Ele foi ao balcão e perguntou pelo trabalho.

- Pode me dar mais detalhes?

E o funcionário:

- Sim senhor. O trabalho consiste em aprontar as pacientes para o exame. Você deve ajudá-las a se despir, e cuidadosamente lavar suas partes genitais. Depois você faz a depilação dos pelos púbicos com creme de barbear e uma gilete novinha. Depois esfrega gentilmente óleo de amêndoas doces, de forma a que elas estejam prontas para o
ginecologista. O salário mensal é de R$4.500,00 com carteira assinada e demais benefícios, mas você deve ir até Ouro Preto-MG.

- Uai, sô, são 90 km de Belo Horizonte! É lá o emprego?

- Não, é lá que tá o fim da fila

Cervejinha de quinta-feira dia 21 de fevereiro de 2008.

Estiveram nesta quinta-feira na cervejinha lá na Savassi: Jaburu; Frei Cristóvão; Aloísio Tirado (Jaó); Renê Ferraz; Afrânio Cheib; José Derval; Carlos Augusto (Coelhinho); Carlos César (Jaó); Paulo Petermann; Tachinha; Quinho (filho do João Marques (Cri) e Maria Tereza, do Coral Gregoriano de Belo Horizonte.
Com a presença do Renê, um entusiasta da música, pudemos cantar algumas músicas gregorianas e é uma pena que ele esteja um pouco sumido, pois a sua presença sempre "exige" que a turma cante, pelo menos, um "oh santíssimazinha".
O Milton, que sempre fica na mesa ao lado, foi ao Rio de Janeiro ver o Flamengo, time dele, perder para o meu Botafogo.

segunda-feira, fevereiro 18, 2008

Piada do Dante

Esta piada foi enviada pelo Dante (Elefante).

O marido estava sentado quieto, lendo seu jornal, quando sua mulher,
furiosa, vem da cozinha e lhe senta a frigideira na cabeça. Espantado, ele se levanta e pergunta:

- Por que isso agora ?

- Isso é pelo papelzinho que eu encontrei no bolso de sua calça com o nome Marylu e um número.

- Querida, lembra do dia em que fui na corrida de cavalos?

- Pois é... Marylu foi o cavalo em que eu apostei e o número foi o quanto eles estavam pagando pela aposta.

Satisfeita, a mulher saiu pedindo 1001 desculpas...

Dias depois, lá estava ele novamente sentado, quando leva uma enorme porrada, dessa vez com a panela de pressão.

Ainda mais espantado (e zonzo), ele pergunta:

- O que foi dessa vez, meu amor ?

- Seu cavalo ligou.