terça-feira, outubro 14, 2008

Artigo do Paulo Botelho: O Verdadeiro Compromisso do Político.

Leia abaixo mais um artigo enviado pelo Paulo Augusto Podestá Botelho (Debanda):

O Verdadeiro Compromisso do Político

Por Paulo Botelho

Escrevi este artigo, quase que nessa mesma linha de abordagem, há mais de 20 anos, para o semanário Opinião: uma publicação de projeção nacional de resistência à ditadura militar, por ocasião do funeral do Presidente Juscelino Kubitschek. Ainda me lembro de meu pai ao telefone: "O compadre Ismael chorou quando leu o teu artigo!" Ele se referia a seu amigo Ismael de Oliveira Coimbra, médico emérito, duas vezes candidato a prefeito de Muzambinho. Em ambas as disputas foi derrotado por contagem de votos, tributada aos espertos udenistas de plantão na época. Ismael tinha um projeto para a sua cidade que incluia escolas, rede de esgotos e postos de saúde. Ousara excluir fonte luminosa, reforma da igreja católica e caipiródromo. - Ele tinha Juscelino como modelo de administrador público a ser seguido.

"O real é o impossível", dizia o psicanalista francês Jacques Lacan. É preciso, portanto, ousar o impossível para que seja redescoberta a dignidade do ser humano.

Juscelino Kubitschek governou o Brasil no período 1956-1960. Ele conseguiu sintetizar o político sensível e solidário com o administrador eficiente. Em seu governo é implementada e consolidada a indústria automobilística; a produção de aço é triplicada, enquanto a renda "per capita" da população sobe para quase 7% ao ano.

Seminarista na juventude em Mariana, Minas Gerais, Juscelino aprende a tocar órgão com perfeição. O escritor Otto Lara Resende costumava contar que ouviu-o, certa vez, executar na íntegra a Missa em Si Menor de Bach, sem ler a complexa partitura polifônica, escrita pelo mestre dos mestres da música. - Ah, a música! Ela é, certamente, o primeiro grito de amor que se conhece. As primeiras leis da humanidade foram cantadas. Fico pensando, como soaria pelas galerias do Congresso e das Câmaras as leis sendo entoadas, ou melhor, desafinadas por esses senadores, deputados federais e estaduais, vereadores. - Melhor não imaginar!

Foi em Caratinga, também em Minas. Era uma festa de inauguração de uma obra estadual para a cidade. Ao final, no meio da multidão, Juscelino, então governador, percebe um homem que vem ao seu encontro caminhando com enorme dificuldade. Quando ele se aproxima mais, Juscelino pára estarrecido. Era um leproso, enrolado em sacos de estopa. No rosto muito deformado pela doença, os olhos são suaves. Se recua pode magoar aquele homem. Juscelino, então, estreita-o num grande abraço. O homem se afasta e, de costas para a multidão perplexa, chora de emoção!

Paulo Augusto de Podestá Botelho é Professor e Consultor de Empresas para Programas de Engenharia da Qualidade, Antropologia Empresarial e Gestão Ambiental. Master in Hygiene and Health for Labour Aircraft Occupations pelo MIT – Massachusetts Institute of Technology – USA. Membro da SBPC – Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. www.paulobotelho.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário