quinta-feira, outubro 11, 2007

Cervejinha de quinta-feira: 11 de outubro 2007

Na cervejinha desta quinta-feira, véspera do feriado, estiveram presentes: Jaburu, Noraldino (Chibeta), Valjean (Canela), Carlos César (Palito), José Derval, Aloísio Tirado (Jaó), Tachinha, Alonso (Brigite), Tito Guilherme (Coruja), Paulo Petermann e Frei Cristóvão.
Na semana passada o Tachinha pegou carona com o Júlio Cézar (Julinho) para ir à missa de 7º dia pela alma do Gustavo, neto do João Marques (Cri) e falou que o Julinho esteve na cervejinha, mas se esqueceu de que ele também esteve na missa. Está feito a correção do esquecimento do Tachinha.
No último final de semana o Tachinha esteve participando do encontro dos ex-seminaristas do Caraça e neste darei uma passada no encontro dos ex-seminaristas do Verbo Divino no Instituto Missionário São Miguel, na Borda do Campo, em Antônio Carlos, cidade perto de Barbacena.
A foto abaixo é do encontro do Caraça, em frente à Igreja Nossa Senhora Mãe dos Homens, padroeira do Caraça. Este é local onde o lobo guará aparece todas as noites para comer a carne que é deixada numa bandeja.
Clique na foto para vê-la em tamanho maior.

Visita ao arcebispo

O Aurelino Caires Bonfim (Jucão - 57/62) ligou para o Tachinha informando que estará viajando para São Luís, no Maranhão, para passar o feriado e o fim de semana visitando o nosso arcebispo dom José Belisário.
Pedi ao Jucão para transmitir o nosso abraço ao Belisário.
Soube que o nosso arcebispo apareceu rapidamente no noticiário do SBT falando sobre os problemas de roubos nas igrejas lá de São Luís.
O Francisco Pinto (Marta Rocha - 55/61), de São Paulo, está programando visitar o Belisário no feriado de 15 de novembro.

quarta-feira, outubro 10, 2007

Curso de Canto Litúrgico

Segue abaixo o e-mail enviado pelo Dante Souza (Elefante) sobre curso de canto litúrgico a ser ministrado pelo Frei Joel.

Tachinha,

Segue notícia da Arquidiocese de Belo Horizonte com referência ao curso de Canto Litúrgico com Frei Joel, em Betim.

Dante da Cunha Sousa
Auditoria de Compras
Informativo Eletrônico – 09/10/2007 - da Arquidiocese de Belo Horizonte

Curso de Canto Litúrgico com Frei Joel Postma

O Frei Joel Postma estará de volta a Betim para mais uma etapa do Curso de Canto Litúrgico, que será realizado nos dias 20 e 21 de outubro. Frei Joel foi assessor da CNBB e um dos responsáveis pela elaboração do Hinário Litúrgico e do Ofício Divino das Comunidades. Neste encontro, ele ensaiará vários cantos, refletindo sobre o lugar da música na Liturgia.

Os participantes receberão um livro com letras e partituras das músicas. Serão apresentadas canções para encontros pastorais, bênçãos de casais, salmos, aclamações do povo nas Celebrações Eucarísticas e louvações.

As inscrições devem ser feitas, até o dia 17 de outubro, pelos telefones (31) 3531-2213 e (31) 3531-5757 ou na secretaria do Centro Franciscano de Espiritualidade. Cada participante terá direito a um livro. Se precisarem de mais unidades, poderão encomendar, antecipadamente, pelo preço de R$5,00 cada.

Serviço
Curso de Canto Litúrgico
Data: 20 e 21 de outubro
Horário: 08:30 às 18:00 horas (20/10) e 08:30h às 16 horas (21/10)
Local: Centro Franciscano de Espiritualidade (CEFE – Avenida Gabriel Passos, 178 – Betim)
Inscrições: Na secretaria do CEFE ou pelos telefones (31) 3531-2213 e (31) 3531-5757
Valor: R$ 20,00 ou R$30,00 para quem deseja se hospedar na casa onde será realizado o encontro.
Assessoria de Comunicação da Arquidiocese de Belo Horizonte
(31) 3269-3195
imprensa@arquidiocesebh.org.br

Artigo do Rosário: Bebê no Arrudas

Segue abaixo mais um artigo enviado pelo Rosário

Paz plena...
Irmãos e companheiros do ENFRADES...
Que a PAZ habite o coração de cada um e que cada um tenha a sua mente livre para ir em busca de sua verdade, que se sentir livre e ir também em busca da VERDADE ABSOLUTA.
Cada de um de nós temos a nossa história individual e coletiva. Essa história é a nossa caminhada pelas estradas da vida e a VIDA é uma mestra fantástica.
Nunca podemos esquecer que existe o mandamento: "Não Matarás". E não existe nenhuma referência sobre o que não se pode matar, então cada um pode dar a sua interpretação e a minha interpretação é: "Não se pode matar tudo o que tem vida". Mas antes de chegar a essa conclusão ou interpretação eu parei de alimentar com carne em Setembro de 1981, pois para que alimentamos com carne houve a necessidade de mortes de animais antes.
Há uns séculos atrás existiam muitos povos antropófagos e hoje isso é tão raro, que quando soubemos de alguma notícia sobre seres humanos que alimentam com outros seres humanos ficamos chocados com a notícia.
Agora matar seres humanos, que estão no início de sua existência física é para mim um dos crimes mais vis e covardes que existem. Então escrevi no jornal contra o aborto porque o leitor Nacib Hetti escreveu e comentou da necessidade da legalização do aborto para que crianças não fossem mais jogados no Arrudas...
Vamos defender a VIDA em todo o seu curso: desde a fecundação até a desencarnação final (a morte do corpo físico) de um espírito já mais evoluído (seres humanos) ou não (seres vivos e ainda não humanos).
Paz plena... Rosário.

185 - Bebê no Arrudas - publicado em 10/10/2007.

Quero comentar a carta do leitor Nacib Hetti, que em função de um ato criminoso de uma mulher ter jogado o filho no Arrudas, ele pede a legalização de uma série indefinida de atos também criminosos, mas com a legalização do aborto ficaria parecendo que tais atos deixaram de ser vis e criminosos perante o processo evolutivo. O nosso irmão Nacib pede a aprovação do aborto para que bebês não sejam mais lançados no Arrudas, pois os 'fetos' serão eliminados (assassinados) com poucos dias ou meses de vida. Todos os que defendem a legalização do aborto terão parcelas de culpas juntamente com os responsáveis pelas execuções de todos os abortos que forem feitos após a legalização. O mandamento "Não Matarás", não fala em idade e nem identifica o que não se pode matar, então é tudo o que tem vida. O aborto, mesmo sendo legalizado pelos homens, sempre será um crime e um ato vil perante as leis espirituais.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG.
Belo Horizonte, 15/07/2007.

segunda-feira, outubro 08, 2007

Passeio no Caraça

Neste final de semana estive participando do encontro dos ex-seminaristas do Caraça. O passeio começou no sábado de manhã na viagem do trem que vai de Belo Horizonte a Vitória.
A viagem até a estação Dois Irmãos dura pouco mais de 1 hora e meia de viagem até perto de Barão de Cocais. A viagem é bem tranqüila passando por túneis, viadutos e belas paisagens das montanhas.
Já no trem eu trombei com um da turma do Enfrades. O João Vitorino Sacramento (Caderneta de Poupança - 75/77) mora em Itabirito e estava viajando de férias com a família para Vitória.
Na estação havia um ônibus para levar a turma até o Caraça e no meio do caminho houve uma parada na casa do Medina, ex-caracense que tem um sítio perto do Caraça, onde foi servido um café da manhã bem gostoso e sortido.
O Caraça, para quem não conhece, é um local ótimo para descansar e fugir do corre-corre das grandes cidades e fica perto de Belo Horizonte, uns 120 Km no sentido de Vitória pela BR 262.
Todos os dias, à noite, é colocada uma bandeja com carne em frente à igreja à espera do lobo guará que vai se alimentar, mas neste sábado ele enganou a muita gente que estava à espera dele, mas parece que ele esperou a turma ir embora e só apareceu quando tinha pouca gente. Eu como estava vendo uma palestra não vi o lobo, mas já o havia visto em outras vezes que estive lá.
No encontro apareceram uns 50 ex-seminaristas e como lá no Caraça tem uma boa quantidade de quartos alguns levam as famílias: filhos e netos e, no total havia umas 100 pessoas participando do encontro.
O Caraça funcionou como seminário até maio de 1968 quando uma parte (quartos e salas de aula) pegou fogo e, portanto o "ex" mais novo deve ter mais de 50 anos. No encontro apareceu um "jovem" que estava fazendo 80 anos que entrou no Caraça.
A turma também tem uma página na Internet:http://www.aealac.hpg.ig.com.br/index2p.htm
Os fins de semana lá no Caraça tem um bom movimento de jovens que vão para fazer caminhadas, nadar nas cachoeiras ou simplesmente passear.
Foi um final de semana bem gostoso e esta é a quarta vez que vou ao Caraça.