sexta-feira, março 16, 2007

Viagem a Alcobaça.

O Abelardo está de viagem para Alcobaça no final de abril, lá pelos dias 22/23 e estamos combinando uma turma para ir dar um passeio por lá. Já estão compromissados o Adeir, Tachinha, Gilberto Zanoli, Eustáquio Tadeu (Siri), David Venuto (Tampinha), Vicente (Pinga), além do Manoel Gomes (Seriema), que tem uma casa em Alcobaça, e o Luiz Henrique que mora naquela cidade. Com certeza será uma passeio bem gostoso pois lá a praia a água tem uma temperatura bem agradável e a cidade é bem tranqüila fora de temporada.

Cervejinha de quinta-feira: 15 de março

Hoje a cervejinha, felizmente, estava bem animada e teve uma boa participação. Estiveram presentes o Eustáquio Tadeu (Siri - 57/59), Helton França (54/58), José Derval (42/46), Renê Ferraz (44/49), Tachinha (59/63), Carlos Augusto (Coelhinho - 66/67), Carlos César (Palito - 64/67 ), Adeir (63), Valjean Lopes (Canela - 61/63), David Venuto (Tampinha - 52/54), Divaldo (ex-seminarista de Itaúna e como diz o Tachinha: de outra "marca"), além do Leo e Tamar, filhos do Tampinha, e o Quinho, filho do João Marques (Cri) e da presença do Milton, ex-seminarista do Verbo Divino, da Borda do Campo, em Antônio Carlos, perto de Barbacena, que sempre está tomando a sua cervejinha numa mesa ao lado. O Tampinha está morando em Ervália, perto de Viçosa e estava de passagem por Belo Horizonte.
Foi uma cervejinha-noite agradável pois depois de muito tempo tivermos oportunidade de cantar algumas músicas em canto gregoriano. Valeu!

quinta-feira, março 15, 2007

Artigo do Rosário: O eterno presente.

Leia abaixo o último artigo enviado pelo Rosário:

Paz plena... Irmãos e companheiros de evolução do ENFRADES. Eis o meu novo artigo que foi publicado hoje, 12/03/2007, no jornal O TEMPO. Eu julguei que este artigo era muito bom para dar uma visão de DEUS, como o ETERNO PRESENTE e como o enviado em 29/12/2004 e não tinho sido publicado, então mudei a minha data de origem para 12/02/2007 e o enviei de novo. Mesmo assim tive que enviá-lo por duas vezes. Valeu a pena, pois hoje o vi publicado. Paz plena...
Rosário.
167 - O Eterno Presente -
publicado em 12/03/2007.
Por muitas vezes ouvi de teólogos a referência ao "Eterno Presente" para Deus, pois para Deus não existe o passado, nem o futuro, já que tudo é presente. A partir de janeiro de 1980, quando consegui unir o estudo teológico com o matemático, passei a compreender e entender tudo com muita clareza, mas aconteceu que não fui mais compreendido pelos outros, que até me consideraram como um doente mental ou esquizofrênico. Hoje explico o conceito do "Eterno Presente" para Deus com puros e perfeitos conceitos da mãe de todas as ciências e filosofias: a matemática. A matemática é uma ciência exata, mas existem conceitos matemáticos que são metafísicos e mesmo assim torna-se fácil demonstrar por eles a nossa forma de pensar. Para falar sobre Deus como o "Eterno Presente", apresento a idéia com a intercessão perpendicular de duas retas: uma horizontal, que representa o tempo, que sempre tem uma correlação com o envelhecimento da matéria e a outra vertical, que representa o conhecimento e a sabedoria ou o "Eterno Presente". Deus não teve início e nem terá fim, como também as retas não têm início e nem fim. Então a melhor figura da matemática para explicar a perfeita essência de Deus é a reta. Considerando que o único ponto de cruzamento das duas retas seja uma representação de Deus, então vamos fazer passar pelo mesmo um número indefinido ou infinito de retas e todas serão iguais e terão um único ponto em comum. Esse ponto terá participação em todas as retas, que alcançarão todo o Cosmo, como também todo o espaço cósmico. Pode-se dizer também que nada fica fora do alcance ou da capacidade do poder onipresente de Deus. Nós somos espíritos em evolução, que fomos criados à imagem e semelhança de Deus, quando começamos a nos autoconhecer vamos descendo na reta do conhecimento e ao mesmo tempo vamos avançando nas outras três dimensões. Tudo vai ficando presente dentro de nós, e o limite do auto-conhecimento é a nossa capacidade e o poder que temos para vencer o nosso próprio medo: "Portanto, deveis ser perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito" (Mt 5,48).
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG.
Belo Horizonte, 29/12/2004.