sexta-feira, fevereiro 09, 2007

Cervejinhas

Eu, Tachinha, estive na cervejinha da turma dos ex-seminaristas salesianos, em sua maioria do seminário de Cachoeira do Campo, perto de Ouro Preto. Estiveram presentes uns 12 seminaristas e eu como "penetra".
Dentre os participantes tinha um que é amigo do Carlos Magno e liguei para o Carlinhos para dar a notícia e tive a grata e alegre surpresa que ele já está conseguindo falar bem melhor, pois quem não sabe ele teve um AVC que afetou muito a sua fala e muitas vezes não conseguia "achar" a palavra que estava querendo dizer mas agora, felizmente, já está bem melhor, graças a Deus.

Na nossa cervejinha de ontem, dia 8/2, estiveram presentes o Helvécio Chaves (Jaburu), Tachinha, Eustáquio Tadeu (Siri), Dante Souza (Elefante), Carlos Augusto (Coelhinho), José Derval, Noraldino (Chibeta), Paulo Petermann e dois amigos, Gilberto Zanoli (Rato), Valter Toledo (Veizinho) e Narciso Barbosa (Foguete).

Modelos de Capitalismo

Leia abaixo o e-mail enviada pela Beatriz Ferreira, filha do Leonídio Ferreira (Dinamite), de Paineiras.

MODELOS DE CAPITALISMO

CAPITALISMO IDEAL:

Você tem duas vacas. Vende uma e compra um touro. Eles se multiplicam, e a economia cresce. Você vende o rebanho e aposenta-se rico!

CAPITALISMO AMERICANO:

Você tem duas vacas. Vende uma e força a outra a produzir leite de quatro vacas. Fica surpreso quando ela morre.

CAPITALISMO FRANCÊS:

Você tem duas vacas. Entra em greve porque quer três.

CAPITALISMO CANADENSE:

Você tem duas vacas. Usa o modelo do Capitalismo americano. As vacas morrem. Você acusa o protecionismo brasileiro e adota medidas protecionistas para ter as três vacas do capitalismo francês.

CAPITALISMO JAPONÊS:

Você tem duas vacas. Redesenha-as para que tenham um décimo do tamanho de uma vaca normal e produza 20 vezes mais leite. Depois cria desenhinhos de vacas chamados Vaquimon e os vende para o mundo inteiro.

CAPITALISMO BRITÃNICO:

Você tem duas vacas. As duas são loucas.

CAPITALISMO RUSSO:

Você tem duas vacas. Conta-as e vê que tem cinco. Conta de novo e vê que tem quarenta e duas. Conta de novo e vê que tem doze vacas. Você para de contar e abre outra garrafa de vodca.

CAPITALISMO SUIÇO

Você tem 500 vacas, mas nenhuma é sua. Você cobra para guardar a vaca dos outros.

CAPITALISMO PORTUGUÊS

Você tem duas vacas. E reclama porque seu rebanho não cresce.

CAPITALISMO CHINÊS

Você tem duas vacas e 300 pessoas tirando leite delas. Você se gaba de ter pleno emprego e alta produtividade. E prende o ativista que divulgou os números.

CAPITALISMO BRASILEIRO?

Você tem duas vacas. Uma delas é roubada. O governo cria o CCPV - Contribuição Compulsória pela Posse de Vaca. Um fiscal vem e te autua, porque embora você tenha recolhido corretamente a CCPV, o valor era pelo número de vacas presumidas e não pelo de vacas reais. A Receita Federal, por meio de dados também presumidos do seu consumo de leite, queijo, sapatos de couro, botões, presumia que você tivesse 200 vacas e para se livrar da encrenca, você dá a vaca restante para o fiscal deixar por isso mesmo.

Artigo do Rosário: Mistério da Trindade

Leia abaixo o último artigo enviado pelo Rosário:

Paz plena... Paz plena... Paz plena...
Irmãos e companheiros do ENFRADES.
Estou enviando para vocês mais este artigo, que foi publicado hoje no jornal O TEMPO. Envio o original, pois o jornal faz alguns cortes para adequar ao espaço físico.
Já comentei, volto a falar que o Mistério da Trindade para Deus surgiu da própria ignorância nossa, isto: dos seres humanos. Muitos pensadores, filósofos e teólogos transferiram para o plano espiritual a forma do nascimento de um novo ser vivo: sempre necessitando da união sexual de dois elementos da mesma espécie, resultando o nascimento de um ou mais seres da mesma espécie dos seus genitores.
Então para os primeiros pensadores Deus não podia ser "uno', mas tinha que ser "trino", então surgiu-se o conceito de Deus Uno e Trino, e daí veio o grande mistério, que ainda é um quebra-cabeça para quase todos os teólogos e até para a espiritualidade, pois, quando desencarnamos continuamos pensando como já pensávamos.
Os teólogos cristãos, que tiram ensinamentos na Bíblia, que fala em um único DEUS, e em contato com outras religiões politeístas criaram o Mistério da Santíssima Trindade para DEUS. E aceitaram que mistério não se explica e assim ficou tudo como se tudo já estivesse resolvido, mas nada ficou explicado.
Cada vez o conhecimento da humanidade vai se aperfeiçoando, como também o da espiritualidade, que está próxima de nós. Muitos autores bíblicos e teólogos do passado confundiram Deus com a espiritualidade. Como os cristãos consideraram Jesus como Deus (o Deus-Filho) então o mistério continuou sendo mistério.
Quando chegou a hora certa, encarnou na terra um grande missionário, o Kardec, que conseguiu explicar a diferença entre Deus e a espiritualidade. Ele codificou ou explicou o processo de comunicação entre o plano espiritual com o plano físico.
Deus é um espírito (João 4,24), que pertence a espiritualidade, mas nem a espiritualidade não é Deus.
Entenda quem possa entender.
Paz plena... Paz plena... Paz plena...
Rosário.

163 - Deus (e a verdade)
- publicado em 08/02/2007.

Agradeço ao jornalista Oswaldo Antunes pelo artigo: "O tormento de Deus" (Opinião 07/02), pois assim posso comentar mais sobre o assunto.
Muitos falam de Deus e sobre Deus, mas não sabem quem é Deus. Muitos falam do e sobre o Espírito Santo, mas não sabem explicar e nem entender a origem do Mistério da Trindade. Muitos escrevem sobre o inconsciente, mas nem sonham sobre o que estão comentando. Muitos falam sobre a e da verdade, mas cada um tem a sua verdade e por isso necessitam aprender sobre a Verdade Absoluta.
A Verdade Absoluta é Deus e só Deus pode nos revelar a nossa verdade, que nos explicará os meios para entender a Verdade Absoluta.
Muitos falam sobre o infinito sem saberem nada daquilo que falam. O termo infinito possui uma abrangência tão ampla, cuja amplitude torna-se impossível de ser descrita. A reta, que possui uma definição perfeita, é infinita. Cada reta só pode ter em comum com qualquer uma outra reta apenas um ponto, desde que não sejam justapostas. Por isso utilizo dos princípios da matemática para falar e dar explicações sobre a verdade.
E para falar ou fazer referências sobre Deus, que é bom, uno e perfeito, utilizo da figura da reta, que não tem início e nem fim, mas tem sua definição e é infinita. Para falar ou comentar sobre nós, seres ou espíritos criados, utilizo da figura da semi-reta, que também é infinita, mas tem início, como nós tivemos início.
Rosário Américo de Resende.
Ex-professor da UFMG.
Belo Horizonte, 07/02/2007

domingo, fevereiro 04, 2007

Carro e música

Aí vai um endereço interessante para quem gosta de carro e música. É um filme-propaganda da Honda.

http://84.40.3.164/