quarta-feira, junho 13, 2007

Artigos do Rosário: Aborto e Gnose.

Leia abaixo os dois últimos artigos enviados pelo Rosário.

Paz plena....
Irmãos, amigos e companheiros do ENFRADES.
Eu não utilizo mais a expressão "leis divinas", como foi publicado pelo jornal, mas falo em "leis perfeitas e justas" ou até mesmo leis espirituais, pois tudo o que é "divino" está relacionado com a Divindade, que é a plenitude da perfeição em tudo. Então a Divindade está acima de todo tipo de lei e de julgamento, até digo que Deus não perdoa, porque Deus nunca foi ofendido. Quem perdoa está buscando a perfeição, mas ainda não é perfeito, pois sentiu-se ofendido.
Paz plena para todos... Rosário.

174 – Aborto - publicado em 01/06/2007.

Agradeço à Dra. Fátima Oliveira pelo artigo: "Defendo o aborto, como chefe de Estado" (Opinião 22/05). A articulista divulga um artigo do presidente Lula de 15/05/2007 no "Jornal de Debates.com.br". Neste artigo o presidente revela que, como cidadão, é contra o aborto, mas como chefe de Estado considera que o aborto seja tratado como questão de saúde pública e isto quer dizer que ele mudou de opinião.

Para mim, o aborto é um crime e dos mais vis, pois mata ou assassina um ser, que não tem direito de se defender e que está no início de sua vida. Defender a legalização de um crime é mil vezes pior do que fazer o crime, pois isto faz com que muitas pessoas pensem que aquele ato deixou de ser vil e criminoso, pois se tornou permitido pelas leis dos homens.

Agora eu pergunto: "Perante as leis perfeitas e justas, o Lula vai ser julgado como um cidadão comum ou como o presidente do Brasil, que defendeu a legalização do aborto?" Caso o aborto seja legalizado digo que todos os que trabalharem ou votarem em sua defesa, terão parcelas de culpas sobre todos os abortos, que forem realizados legalmente depois, perante as leis justas e perfeitas da espiritualidade.

Para conquistar a perfeição é necessário defender a vida desde o seu início. Nunca se pode misturar liberdade e fidelidade com irresponsabilidade e libertinagem ou até mesmo com anarquia. Também não podemos defender assassinatos como uma questão de saúde pública.

Rosário Américo de Resende. Ex-professor da UFMG.
B. Hte, 24/05/2007.


Paz plena...
Companheiros e amigos do ENFRADES.
Um abraço para todos e desejo que a paz habite o coração de cada um.
Vamos nos unir para conseguirmos construir nessa terra o Reino de Deus, que Jesus nos ensinou a pedir ao Pai no Pai-Nosso: "Venha a nós o vosso Reino".
O Reino de Deus é de paz, amor, liberdade e respeito para com todos. Todos querem viver bem, então vamos aprender a conviver bem.
Paz plena... Rosário.

175 - Gnose - publicado em 13/06/2007.

Quero agradecer ao leitor Jethro Mourão da Cunha pelo artigo: "Teologia" (Dos Leitores 9/6), pois assim nos permite abordar a evolução do conhecimento em direção da verdade. Está escrito que só podemos falar do que sabemos (Jo 3,11) e conhecendo a verdade ficaremos livres (Jo 8,32).
Os primeiros passos para que possamos estudar teologia e a Jesus estão na busca e no entendimento de quem somos e o que viemos fazer aqui. Hoje posso dizer que já sei quem sou e o que vim fazer aqui, por isso tenho coragem de fazer o que faço. Hoje já temos a nossa disposição vários trabalhos e testemunhas para estudar e compreender a outra dimensão e não só Jesus. Para o sucesso desses estudos esotéricos temos que nos libertarmos dos princípios bitoladores da liberdade de pensar e aceitarmos a verdade da reencarnação (texto não publicado).
Os últimos livros bíblicos foram escritos há quase dois milênios por pessoas que não entendiam a espiritualidade como a compreendemos hoje. Assim também foi escrita toda a Bíblia. Qualquer espírito era considerado como o próprio Deus ou um enviado dele e isso complicou a compreensão da Bíblia. Só no século XIX foi que Kardec conseguiu codificar e explicar o processo de comunicação dos espíritos como a humanidade, esclarecendo a grande confusão teológica criada pelos teólogos e pelos autores e tradutores dos livros da Bíblia, pois para todos eles tudo o que aconteceu na Bíblia era obra de Deus.
Os autores bíblicos do Novo Testamento e os teólogos cristãos não entenderam que Jesus foi traído e julgado injustamente pelos líderes religiosos, pois esses temiam perder o poder terreno, que vem da religião; então escreveram e ensinam que Jesus morreu na cruz porque essa foi a vontade de Deus.
Rosário Américo de Resende. Ex-professor da UFMG.
B. Hte, 12/06/2007.

Nenhum comentário:

Postar um comentário