terça-feira, outubro 18, 2005

Texto do Frei Cristóvão: A impunibilidade...

A IMPUNIBILIDADE COMPROMETE A DEMOCRACIA E CONSTITUI UMA GRANDE INJUSTIÇA CONTRA O POVO

A crise política se prolonga, tornando-se cansativa. O ano vai caminhando para o seu fim. Com o recesso parlamentar, ela promete se estender 2006 adentro. Com o período eleitoral, o Congresso se esvazia por si mesmo, uma vez que, na sua grande maioria, os ssenhores congressistas pleiteiam suas reeleições.
Uma coisa não se pode negar: o Congresso Nacional tem uma dívida no Cartório com o povo brasileiro, sobremaneira, com os que são, compulsoriamente, convocados a votar em outubro-2006, embora, frustrados e desencantados com o mundo político, com a própria Política em si. O que não é bom para o processo de consolidação de nossa Democracia, ainda frágil e, por isso mesmo, vulnerável.
A temporada em que os políticos integrantes das CPIs faziam delas palanque de suas futuras reeleições vai perdendo sua força de “marketing” político.
A arte da encenação, a “mis-en-cène”, também tem seus limites; com o tempo se desgasta, tornando-se antes negativa do que positiva.
Roberto Jefferson nos deixou esta preciosidade: “somos todos iguais”, dirigindo-se ao Congresso Nacional.
Já o vice-presidente, afirma sem pudor, diretamente que “a prática do ”Mensalão” é prática costumeira de todos os partidos!
Seria cinismo e prova de muito desmascaramento, por parte dos senhores congressistas constatarem as irregularidades e deixarem as coisas no pé em que estão. Tudo fica por isto mesmo. A gente dá um mínimo de satisfação à nação, ao povo, cassando alguns casos mais explícitos e escandalosos e continuamos fazendo política assim como sempre o fazemos.
Nós, a Sociedade Civil, somos incitados a reagir e cobrar o cumprimento e respeito da Lei, da Constituição. Caso contrário pecamos por cumplicidade e omissão.
No meu entender, há um problema de fundo que não pode deixar de ser desvendado, e exigido de todos, em especial, dos corruptos e corruptores: esta dinheirama toda sai do bolso de quem? Afinal, quem é que paga a conta?
Tem que ficar claro para todos que, além de ser um obstáculo ao desenvolvimento econômico, a corrupção é um atentado contra a justiça. (Ricúpero, Rubens, “Corrupção e ética universal”, Folha de SP, Dinheiro, B2, 16/10,2005).
O dinheiro do “Caixa Dois” e dos Mensalões, sai do bolso do Povão, que é quem mais paga tributos, seja direta ou indiretamente.
Este desvio de dinheiro tem seus canais:
Superfaturamento de obras;
Taxas extorquidas de fornecedores;
Suborno para obtenção de contratos em prejuízo dos honestos;
Remessa de divisas para os paraísos fiscais (seu montante atinge a faixa de 11 bilhões de dólares!).
Os primeiros injustiçados destas práticas antidemocráticas e anti-republicanas são os pobres. São aqueles que levantam de madrugada, tomam duas conduções, gastam duas horas para chegar a um trabalho penoso. Eles que lutam para sobreviver com decência e dignidade (idem).
São eles os primeiros injustiçados com esta onda de denúncias contra o bem público. Os adeptos de tais práticas, os políticos corruptos do PT, são réus, criminosos que roubam do minguado salário de quem trabalha honestamente. A impunibilidade enfraquece uma Democracia-Adolescente, rouba de quem menos tem.
É uma injustiça a quem é honesto e dá a sua contribuição, pequena, mas de coração, para a construção de um país e de uma pátria que eles querem para todos.

Frei Cristóvão Pereira ofm.

Nenhum comentário:

Postar um comentário