sexta-feira, dezembro 23, 2005

Transplante de rins

O nosso amigo Francisco Eustáquio Rocha (Jiló - 62/66) que estava há um bom tempo passando pelo triste sacrifício da hemodiálise fez um transplante de rim ontem e esperamos que, com a graça de Deus, a sua recuperação seja rápida e volte logo às suas atividades normais.

Jantar de fim de ano:

No dia 21 tivemos um jantar de final de ano na Churrascaria O Laçador. Foi uma noite agradável e o jantar contou com a participação do Helvécio (Jaburu), João Marques (Cri), Renê Ferraz, Tito (Maquita), Arutana (Careca), Ronald Claver, Aloísio Tirado (Jaó), Tachinha, Amaury, Gilberto Garcia, Adeir e Vera, Ricardo (Grilo) e Deyse, Carlos Augusto (Coelhinho), Frei Cristóvão, Gilberto Zanoli, Valjean (Canela) e José Derval.

Natal

Desejo a todos os amigos do ENFRADES, suas famílias e a todos os amigos que as alegrias do Natal encham os corações de todos nós para compreendermos que o nascimento do Menino-Deus é a fonte do amor, da amizade e da caridade.
Feliz Natal e que o Ano Novo que se aproxima nos encha de alegria, saúde e paz.
Feliz 2006.

sexta-feira, dezembro 16, 2005

Cervejinha de quinta-feira

A cervejinha de ontem estava bem concorrida. Estiveram por lá o Helvécio (Jaburu), Aloísio (Jaó), Carlos Augusto (Coelhinho), Júlio Cézar, Frei Cristóvão, Geraldo Magela (Serrote), Tachinha, Alex Fantini, Renê, José Lembi, Adeir, Quinho e Vinicius - filhos do João Marques (Cri).

Texto do Frei Cristóvão: Simbologia do Natal.

Simbologia do Natal

“Mil vezes nascesse Cristo em Belém e não em ti: ficarias perdido eternamente”.
(Angelus Silesius).

Poderíamos tomar como título de nossa reflexão algo de mais contundente, direto e existencial: É NATAL DE NOVO”! E, então, a gente fica pensando:” puxa, o fim do ano está aí, o Natal já se aproxima! Ou, então, perguntar: “Mudou o Natal ou mudei eu ?”( Assis, Machado de, Rio de Janeiro:Ed.Ouro, 1996:83). Assim, como tal, interrogo-me pelo o quê de “novo” o Natal me propõe e convida. De novo, no sentido de renovação interior, de crescimento enquanto gente, pessoa, cristão, de amadurecimento humano, de sabedoria existencial, de busca do essencial, de um referencial básico, de um balizamento que sustente minha vida, meu ser enquanto homem, mulher, de esposo e de esposa, de pai e de mãe, de cidadão brasileiro, de democrata que gostaria de ser, de cristão afinal. No intúito de lançar um pouco de luz sobre este desafio permanente que dá sentido ao nosso ser e viver, vamos trabalhar com os símbolos riquíssimos do Advento, do Natal, com seu conteúdo e mensagem programáticos e incentivadores de uma mística, de uma espiritualidade, de uma filosofia de vida, , de um modo de ser e viver, de uma sabença que vale mais do que o ouro ou qualquer outra pedra preciosa, (Mt,13,45-46); isso porque ultrapassam os limites do espaço e do tempo, os horizontes do ter, da quantidade e nos lançam em direção do SER, da Transcendência da Eternidade, da plenitude da VIDA, da qualidade, (estamos mais habituados em falar “VIDA ETERNA, o que não passa de uma redundância, de um pleonasmo! A Vida, de per si, é eterna!.
Para refrescar a memória relembramos que “símbolo”, vem do grego, na sua composição semântica de “syn” e “bólos”. “Syn” significa junto, com, ao mesmo tempo, preenchendo a idéia de simultaneidade, de reunião; já “bólos”, vem de “ballein”, faz pensar em pôr, colocar, lançar, jogar, ferir, tocar, deitar. No símbolo, na linguagem simbólica, o todo, o conjunto contém um sentido, uma mensagem que vai além de seus componentes físicos, materiais captados pelos nossos sentidos. Eles nos lançam para o além, para o que está por de trás das coisas e dos acontecimentos. A linguística fala de metalinguagem. Daí a importância que hoje vai adquirindo a hermenêutica simbólico-histórica em contraposição, sem negá-las, evidentemente, a hermenêutica tradicional, de cunho mais racionalista; oriunda dos “novos sujeitos sociais” (o povo, os índios, as mulheres, os negros, os excluídos), característica ao Terceiro Mundo, mais especificamente, à América Latina, Caribe e à África.)
Resumindo: “hermenêutica” quer dizer interpretação e contextualização do texto; já exegese vem a ser o estudo científico do texto em si mesmo.. Sem mais delonga, vamos aos referidos símbolos.
ÁRVORE: símbolo de vida, de crescimento, de sombra, proteção; o cipreste, em particular, (vejam os cemitérios dos romanos - o cipreste tem vida longa, ultrapassando 100 anos), de eternidade;
O VERDE: esperança, repouso, paz, serenidade;
A COROA: plenitude, totalidade,
globalidade, perfeição, “A” e “Z”, Alfa e Ômega, princípio e fim, eternidade;
ESTRELA: guia, norte, direção, projeto, bandeira, sonho, utopia;
CÍRIO - VELA: luz, claridade, diafaneza, diamanticidade, transparência, brilho,, doação silenciosa e discreta, o clarão da Verdade, da Honestidade de ser e de vida, sinceridade de intenção; a razão de ser da vela vai além do enfeitar: é iluminar ao se consumir.
FITA VERMELHA: (envolvendo a coroa): amor, entrega, suor, sangue, martírio, doação consciente, oblação, sofrimento libertador;
MANJEDOURA:( do italiano ”mangiare”), lugar onde os animais, o boi, o burro comem. Foi aí que a virgem puerpera reclinou o infante recém-nascido. Símbolo de pobreza, simplicidade de vida, despojamento, austeridade existencial, limitada ao necessário, liberdade perante as coisas, os bens materiais, perante o “ter” (economia do necessário para todos, em oposição ao luxo, à ostentação injuriosa do supérfluo de uma sociedade afluente, rica, porém, desigual, desumana, sem Natal e, por isso mesmo, sem paz;
JOSÉ: protótipo, arquétipo do homem justo e piedoso, simples, anônimo e serviçal, dedicado e fiel, silêncio de presença que serve por amor; Modelo de “Gente Boa”!
MARIA: doação, entrega, serviço consciente, silêncio, presença discreta, oração, contemplação, gratuidade, mulher forte, mulher do povo, nossas Marias; forte porque luta pela sua sobrevivência e pela a do povo porque abre mão de seu filho por uma causa maior que é a da Justiça e da Libertação, a causa do povo, do excluído, pela instauração do novo mundo, marcado por valores, um tanto quanto carentes na praça, tais como fraternidade, solidariedade, amor, perdão, misericórdia, alegria de viver no gratuito do evento do ser e da fugacidade do existir;
OS ANIMAIS: a mansidão do boi, a humanidade do burrico. Estão aí para servir. São servos dos homens. E o Menino dirá mais tarde: “bem-aventurados os humildes, os mansos porque eles possuirão a terra” (MT5,6). Ele mesmo se tornará o servo de todos (Is. 50,10; 53;57; Jo.13);
O DIVINO INFANTE: é o Verbo de Deus encarnado, o Filho de Deus, o Emanuel, o Deus-Conosco, o Deus-no-meio-de-nós, o audiovisual de Deus. Um Deus que se faz nosso irmão, a revelação do amor, da bondade, gratuidade, misericórdia e perdão de Deus, Do Deus que é Pai e Mãe, o sacramento de Deus, a verdade individualizada. E, no entanto, Ele é o Senhor do mundo: ”nELE e por ELE foram criadas todas as coisas...”(Col l,l5);
O PRESÉPIO: é o conjunto destes símbolos e nos confunde por sua singeleza, simplicidade e pobreza...É neste clima que Deus se manifesta, fala alto, sua bondade e justiça eclodem. E os “os grandes”, os “poderosos” à custa e em detrimento dos pequenos, se sentem confusos, ofuscados, perdidos; intuem o vazio de seu “poder”, a fragilidade de sua ascendência. Faz pensar no canto litúrgico popular: ”o poder tem raízes na areia...” De repente, num relançar de olhos, se vêem escravos do seu ter e saber, exploradores e escravizadores de multidões. São os verdadeiros alienados, isto é, não são eles mesmos, são possuídos, escravos do seu ter, poder e saber, de seu orgulho e petulância, de sua insensibilidade em face à miséria de milhões que campeia ao seu redor, vizinha de sua casa.
O poeta Fernando Pessoa que, além de poeta, era um filósofo, nos deixou esta profundidade de pensamento: “Quer pouco: tende tudo. Quer nada: serás livre”.
No divino Infante Deus se revela potência, mas potência de amor, de justiça; mas, também clamor, grito dos órfãos, das viúvas, dos excluídos que, no Brasil, perfazem 2/3 da população global.
No poema “OS DEVOTOS DO DIVINO”, que cantamos durante o Advento, em nossas reuniões da novena de Natal e na festa e oitava de Natal como também na festa dos Reis, há afirmações por demais sérias, por isso mesmo, por demais humanas, portanto, por demais democráticas: “Que a fé seja infinita - que o homem seja livre - que a justiça sobreviva. No estandarte vai escrito que Ele voltará de novo. E o Rei será bendito. “ELE NASCERÁ DO POVO”( Boff, Leonardo, “Espiritualidade: Um Caminho de Transformação, RJ, Sextante, 001:83s.).
.. A crise interna mantida sob uma cortina de fumaça veio à tona com as denúncias de tanta corrupção no mundo da Política, coisa que vem de longe.. “Sempre foi assim”! Como se fosse “natural”, já que quase todos têm esta conduta, porquê não eu” ! A impunibilidade enfraquece a Democracia.. Às duras penas o processo democrático, a instauração de uma Democracia Plena, Social e Econômica, continua sua marcha lenta, mas profunda. O desafio histórico não é só para os srs. políticos, mas para todos nós. O povo almeja com todas veras do seu coração um avanço da democracia participativa e vai aprendendo canalizar e expressar este desejo eleitoralmente, não obstante o peso do poder econômico (“Comando Delta” ), da mídia e dos institutos de pesquisa de opinião pública e de intenção de votos! Não obstante a besta apocalíptica do Mercado, do Neoliberalismo. E Deus fala, se manifesta, se revela através do que acontece, do que o povo faz, almeja, exige. A JUSTIÇA nascerá do povo, senão hoje, certamente, amanhã.
No próximo Natal, quem sabe, esta verdade será mais realidade, história, entre nós., do que hoje..É o que cremos e esperamos e por isso mesmo renovamos o nosso compromisso de fazer a nossa parte.
Frei Cristóvão Pereira ofm.

quarta-feira, dezembro 14, 2005

Jantar de fim de ano:

Vamos realizar na quarta-feira, dia 21, às 20 horas, na Churrascaria O Laçador, o jantar de confraternização de fim-de-ano. O Laçador fica na Rua Aimorés, 473, entre as ruas Ceará e Bernardo Monteiro, perto do Colégio Arnaldo. O preço é de R$25,00 por pessoa. Vamos compartilhar com os amigos as alegrias das festas de Natal.
Comente com o amigo do Enfrades com quem você tenha mais contato.
Qualquer informação é só ligar para o Tachinha: 2129-9319 e 9955-4246.

Convite do José Vicente (Feijão):

O José Vicente (Feijão - 65/68) e sua esposa Glória - que moram em São João del Rei, enviaram um convite para os amigos do Enfrades para as solenidades de formatura de sua filha Daniela Albergaria Silva. Ela está se formando em Educação Física pela Fagam, de Lavras. As solenidades serão realizadas em Lavras:
Dia 14 - Culto em Ação de Graças na I Igreja Prestiberiana, às 20 horas;
Dia 15 - Missa em Ação de Graças na Igreja Matriz de Sant`Ana;
Dia 16 - Colação de Grau no Auditório Lane Morton.
Parabéns, Daniela, por esta vitória e desejamos muito sucesso nas suas atividades profissionais.
Feijão e Glória, recebam, também, o nosso abraço e os cumprimentos por mais esta etapa vencida pela Daniela.

sexta-feira, dezembro 09, 2005

Textos do Rosário:

Leia abaixo mais 2 textos enviados pelo Rosário:

114 - Trindade revelada - publicado em 02/08/2005.

Parabéns ao colunista José Reis Chaves pelo artigo: “O erro trinitário” de 11/07/2005. Eu não considero o dogma da Santíssima Trindade como um erro, mas como sendo a fórmula arranjada por aqueles que mandavam e sabiam menos imporem a vontade deles, e também por causa da ignorância da humanidade. A imposição deste e dos outros dogmas é a prova da ignorância da liderança religiosa, já que não sabiam como explicar este ou aquele assunto impuseram goela abaixo os dogmas e quem não os aceitasse corria o risco da excomunhão ou até mesmo da condenação à morte na fogueira. E ainda se diziam serem cristãos!
Em 24/08/1983 recebi uma mensagem explicando o mistério da Santíssima Trindade, que veio esclarecer para mim todas as correntes filosóficas e teológicas sobre Deus, como o monoteísmo, o monismo, o panteísmo, o politeísmo, o dualismo e a evolução, que mostra a salvação para todos. Como consegui unir o estudo religioso com o matemático, ficou fácil desvendar o mistério da trindade para Deus: Deus-Pai, Deus-Filho e Deus Espírito Santo, três pessoas e um só Deus. Essa visão de Deus é o conjunto cósmico, no qual tudo está contido e cada elemento é uma parte ou partícula desse imenso conjunto cósmico. Dividindo esse conjunto em três subconjuntos, temos: Deus-Pai, um conjunto de um só elemento, o Espírito incriado, o qual chamo de Deus-Pai-Mãe; Deus-Filho, o segundo conjunto que contém tudo o que foi criado e está no reino material e Deus Espírito Santo, o terceiro conjunto que contém tudo o que foi criado e está no reino espiritual ou no plano invisível. Temos que libertar a nossa mente e avançar no entendimento de tudo e só assim iremos compreender a Verdade Absoluta.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 12/07/2005.

115 - Religião e religiões - publicado em 10/09/2005.

Parabéns ao fantástico artigo do graduando em história, o Sr. Denílson de Cássio Silva. Ele soube apresentar o fenômeno religioso no artigo: “Religiões: uma reflexão necessária” (06/09/2005) com uma ótima lucidez e pureza de expressão.
Realmente temos que nos policiar contra o consumismo e o hedonismo que podem nos levar ao puro materialismo. Outro poderoso inimigo da sociedade é o fanatismo religioso, que não aceita a boa convivência e harmonia entre as religiões. Muitos princípios e dogmas religiosos são bitoladores da liberdade de pensar e prejudicam o bem viver. As mais cruéis e sangrentas guerras sempre tiveram suas origens em divergências religiosas.
Torna-se necessária uma harmonia entre as religiões e uma união perfeita delas com a ciência. Todo o embasamento das religiões está na emoção e no sentimento do ser humano, que mostram o caminho do aperfeiçoamento com a vivência e convivência no amor, perdão e caridade. A ciência, por sua vez, está baseada no estudo e compreensão da lógica, da matemática e da razão.
A solução para o todo e para cada ser humano está no perfeito equilíbrio do emocional com o racional. A verdade vem da razão e da matemática, mas a perfeição vem do perdão, da caridade e do amor bem vividos. Vamos à busca e compreensão da verdade, mas sempre com a prática da perfeição.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 09/09/2005.

Desaparecidos apareceram pelo Orkut:

Dois amigos do Enfrades que estavam sumidos deram o ar da graça através do Orkut. O José Carlos da Silva (Cacau - 81/83) e o Alexandre Barbosa Soares (83). O Cacau é padre numa paróquia perto de Nova Iorque (Estados Unidos) e o Alexandre que mora em São Paulo.
Para quem não sabe, o Orkut é uma comunidade na Internet que possibilita você a participar de vários grupos dos mais variados e inimagináveis assuntos e também tentar descobrir algum parente ou amigo que esteja desaparecido.
Para entrar no Orkut é preciso receber convite de quem já está no programa e, portanto, se alguém do Enfrades quiser participar é só mandar um e-mail para o Tachinha.

Cervejinha de quinta-feira:

O bar da nossa cervejinha de quinta-feira foi vendido para o pessoal da Rococó. A Rococó é um restaurante bem conhecido e com esta venda esperamos que a turma da cervejinha tenha mais opções de tira-gostos e um atendimento melhor. Compareça lá para conferir.
Como estamos no final de ano porque você não se programa para aparecer lá no dia 15 de dezembro. Qualquer coisa é só ligar para o Tachinha: 9955-4246 ou 2129-9319.

Textos do Rosário:

Estou incluindo, aos poucos, os textos que o Rosário mandou. Ele estava há um bom tempo sem enviá-los (e olha que ele já está aposentado).
112 - Emparedar Lula? - publicado em 21/07/2005.

Lendo os artigos do teólogo Leonardo Boff pode-se ver que o Boff é um homem de grandes e fantásticos conhecimentos, mas está confuso e perdido como mostram os artigos sofistas dele. O de 15/05/2005 continua na mesma linha de pensamento, quando pretende apresentar o presidente Lula como a solução de todos os problemas. Ele parece esquecer que um excelente pedreiro pode ser um péssimo mestre de obra, como também um ótimo padre pode ser um administrador de péssimas qualidades e nunca poderá ser um candidato ao papado.
Para mim o teólogo Boff desde que deixou a hierarquia da Igreja Católica está perdido no labirinto do jogo de palavras e não chega a lugar nenhum. Ele não quis seguir os votos feitos de obediência, pobreza e castidade, e nem ser um outro Teilhard de Chardin, que mostraria para a cúpula da igreja a verdade evangélica de uma forma simples, humilde, nua e crua. Caso ele obedecesse poderia provar com a própria vida a verdade e a pureza da Teologia da Libertação, mas abandonou o barco e não quis mais viver como um humilde frei franciscano.
No meu ponto de vista o teólogo Boff só conseguirá ter novamente uma visão clara e lúcida da verdade libertadora quando entender e defender a visão evolutiva pelas vidas sucessivas, onde todos alcançarão a salvação pela auto-redenção. Nesse momento ele será muito útil para a harmonia e evolução de toda a humanidade. Está escrito: “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (Jo 8,32).
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 17/07/2005.

113 - Fanáticos - publicado em 28/07/2005.

Enquanto lia a página Internacional de O TEMPO de 14/07/2005 ia pensando e raciocinando com os meus botões sobre os enigmas da vida. Quando a sociedade se depara com atos terroristas sempre os líderes políticos encontram rapidamente os responsáveis, que em muitas vezes já estão mortos e os apresentam como bodes expiatórios ou fanáticos jovens suicidas.
Agora faço essas perguntas: O que levou tais jovens a tomarem essa estrema decisão? Quais são os atos mais perversos ou criminosos para a humanidade o que aconteceu em Londres ou a decisão do presidente Bush em jogar toneladas de bombas no Afeganistão e no Iraque com total apoio e colaboração dos primeiros ministros da Inglaterra, da Espanha e de outros líderes políticos?
O atual governo ditatorial de Cuba, a menina dos olhos de muitos petistas, foi fruto de movimentos guerrilheiros contra o ditador Batista e mudou-se apenas de ditador. A maioria dos que governam o Brasil hoje foram jovens fanáticos, que foram doutrinados na linha cubana e tentaram apossar do poder central de uma forma ilegal, por fim foram parar na clandestinidade. Espanta-me muito que vários intelectuais julgaram que o governo deles seria uma sumidade de ética e lisura. Também existem os falsos pastores, que usam o nome de Deus em vão para extorquir dinheiro dos incautos e fanáticos fiéis, e quando são desmascarados falam em alto e bom tom: “Eu sou um homem de Deus”, mas só querem as coisas de César.
A saída ou a solução para tudo isso é colocar em prática o mandamento do amor e que todos aprendem, na vida prática, a somar e dividir com perfeição. A terra é boa, grande, dá frutos e moradia para todos. Quando isso tornar-se uma realidade teremos implantado na terra o sistema da paz plena e o início da administração messiânica, que já foi profetizada pela Bíblia Sagrada e é esperada por todos.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 17/07/2005.

quarta-feira, dezembro 07, 2005

Artigos do Rosário:

110 - Xadrez e matemática - publicado em 01/07/2005.

Parabéns para o colunista Sebastião Nunes pelo fantástico e instrutivo artigo: “Guerra e paz em tabuleiro de xadrez” de 26/06/2005. Artigos como esses deveriam ser comentados, analisados e dissecados pela mídia em geral, pois ajudam muito mesmo na busca da compreensão e solução dos problemas da humanidade, como também colaboram para o entendimento do inconsciente do ser humano.
Aprendi a jogar xadrez num seminário interno, quando tinha doze anos. Só joguei por diversão, sempre com intenção de aprender os segredos do xadrez e também de vencer. Um dos meus professores e bom enxadrista, quando viu que ia perder uma partida para mim, interrompeu o jogo e nunca mais jogou comigo. Nasci com o dom de aprender com facilidade os cálculos e os enigmas da matemática. Em 1980 fui considerado como um esquizofrênico pela psiquiatria, mas consegui provar o meu reequilíbrio emocional e racional, porque consegui conciliar os meus conhecimentos da matemática com os da religião e assim descobri os segredos sobre o meu ser, que estavam arquivados secretamente no meu inconsciente. Hoje digo que não existe loucura, mas existe sim muito desconhecimento sobre a mente humana e isso causa muitos sofrimentos em pessoas inocentes.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 28/06/2005.

111 - Que medo, Quevedo! - publicado em 13/07/2005.

Como cristão, quero pedir perdão aos meus irmãos seguidores dos cultos afro-brasileiros e, a compreensão dos mesmos pelo ridículo comportamento e orgulhosas atitudes do padre Oscar G. Quevedo no programa de televisão da Rede TV do dia 21 ou 22/06/2005.
O Pe. Quevedo, mostrando aspectos anticristãos, chutou as espécies, que compunham um trabalho de oferta realizado por um desses nossos irmãos. Pe. Quevedo, temos que fazer para os outros aquilo que queremos que eles nos façam. Temos que respeitar as crenças de todos os nossos irmãos e tudo o que é considerado como sagrado por cada pessoa ou religião.
Gostaria de saber qual seria a reação do Pe. Quevedo se algum ser humano, ateu ou não, fizesse o que ele fez com as espécies de pão e vinho já consagrados por algum padre ou mesmo com qualquer símbolo pertencente ao culto do catolicismo? Ou será se ele mesmo faria isso de público? Pe. Quevedo, você não me causa medo, mas muita pena por causa de seu orgulho, desprezo e da falta de vivência dos ensinamentos de Jesus, pois você deve conhecer muito bem o que está escrito nos quatro Evangelhos e em toda a Bíblia Sagrada.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 28/06/2005.

segunda-feira, novembro 28, 2005

Condolências:

Hoje, com muito pesar, envio os meus votos de condolências ....???? para vários amigos do Enfrades: Helvécio (Jaburu) e a todos os seus irmãos - com exceção do Dedeu - Manoel Faria, Noraldino (Chibeta), Ronaldo Armond (Gordo), Ricardo Cruz (Grilo), Afrânio Cheib e outros mais que a esta altura estão sofrendo com as tristes e graves conseqüências da gripe "aviária" que, felizmente, não chegou ao Brasil, mas chegou a um "determinado galinheiro" e fez uma carnificina geral. Para que os nossos grandes amigos envio os meus sentidos pêsames e uma palavra de consolo e plagiando o nosso saudoso amigo Lídio Pereira (Piau) que, apesar ter pertencido ao mesmo grupo étnico e já estar no céu, está imune às conseqëncias desta terrível e discriminatória doença : Requiescant in pacem in galinhaerorum secundorum!
O Aloísio Tirado (Jaó), profetizando a chegada da gripe "aviária", havia dito que os tais amigos que um dia imaginavam entrar para a OFM - Ordem dos Frades Menores -, agora entraram para a OTM - Ordem dos Times Menores.
Hoje, apesar desta desgraça que atingiu o citado grupo étnico-galináceo - conseqüência da globalização e da Internet - o nosso amigo Jaburu, além das condolências, merece os nossos mais alegres cumprimentos por mais um ano de vida e que as nossas orações cheguem até aos ouvidos de Deus para que ele continue firme por muitos e muitos anos em nossa convivência.

Falecimento

O Ely Oliveira (Mico) deu a má notícia do falecimento, dia 23/11, do José Amâncio de Azevedo (Vó), do meio da década de 40. O José Amâncio estava morando em Montes Claros e tem um filho, Pedro Paulo da Silva Araújo, que estudou em Santos Dumont em 1966. Os nossos sentimentos de pesar a toda a família do nosso saudoso Vó. Requiescat in pace!

Opereta do Frei Joel.

Dia 25 foi encenada a opereta Legenda de Santa Clara sob a batuta do frei Joel, o Coral Trovadores da Mantiqueira e os atores de Santos Dumont. Foi uma peça muito bonita e uma pena que a forte chuva que caiu um pouco antes da peça atrapalhou um pouco a presença de mais pessoas para assistirem a peça. Da turma antiga do Enfrades apareceram o Tachinha, Manoel Faria, Geraldo Corcini, Pacífico Guimarães (Lua), José Lembi, Narciso (Foguete), Marcelo Brandão, Francisco Motta, Alonso Ferreira (Brigite), Márcio Américo (Jerwázio). Ao final, completando a emoção e a beleza da peça, o frei Joel fez a platéia cantar a Oração de São Francisco junto com o coral. Valeu frei Joel.
No sábado a peça foi encenada em Divinópolis e soube que lá, por ser uma cidade onde os franciscanos sempre tiveram uma boa presença, o teatro estava cheio, ao contrário de de Belo Horizonte que só tinha 1/3 de ocupação.

Artigos do Rosário:

108 - Corpus Christi - Publicado em 06/06/2005

Parabéns ao cônego José Gerando Vidigal pelo artigo: “A festa do corpo e sangue de Cristo” do dia 26/05/2005. Quero ressaltar o que foi comentado sobre o papa Urbano IV, eleito em 1261, que antes havia conhecido a santa monja Juliana e tinha percebido a luz sobrenatural que a iluminava e a sinceridade de seus apelos.
Para mim, tudo que envolve as religiões e os cultos está baseado em “magia” e cada espírito encarnado possui a sua própria magia ou a sua vontade. O objetivo de cada líder religioso depende do seu grau evolutivo. Os que fundam religiões têm como finalidade de buscar as coisas de César ou de serem os donos da nova religião, mas sempre utilizam falsamente do nome de Deus e ou de Jesus.
Os verdadeiros líderes religiosos, que nos mostram o caminho do amor, da pureza e da busca da casa do Pai nunca fundam novas religiões, mas procuram aprimorar os sistemas religiosos existentes. Assim foi com o Mestre Jesus, São Francisco de Assis, madre Teresa de Calcutá, irmã Dulce da Bahia, Francisco Cândido Xavier e muitos outros. Estes venceram a própria vaidade e o orgulho de quererem ser os donos de religiões, mas apenas mostraram o caminho do auto-aperfeiçoamento e ganharam o prêmio da vida eterna.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 06/06/2005.

109 - Corrupção e poder - publicado em 28/06/2005.

Agradeço ao teólogo Leonardo Boff pelo artigo: “Corrupção e poder” de 17/06/2005, pois deu-me oportunidade de fazer alguns comentários complementares sobre o assunto. Discordo das posições do lorde John Emerich Edward Dalberg-Acton e do filósofo Kant, pois ambos defendem que os seres humanos não conseguem se aperfeiçoarem. Parece que eles não conheceram esse ensinamento de Jesus: “Portanto, deveis ser perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito” (Mt 5,48).
A referência feita ao pecado original não esclareceu nada e, para mim, a teoria desse pecado foi fruto da ignorância de seus defensores, que na conseguiram entender a perfeição do Criador e a infância da criatura. Nunca houve o pecado original, mas existem os problemas e as falhas individuais dos espíritos na busca da perfeição, e, também, quando vão se aperfeiçoando pelas vidas sucessivas vão compreendendo cada vez mais a perfeição da Divindade.
As mais difíceis provas, que temos que vencer em nossas caminhadas evolutivas, são as da riqueza e do poder. A corrupção não tem correlatividade com o poder, mas com o nível evolutivo do ser que mantém o poder. A divisão do poder não evita a corrupção, mas pode até aumentá-la, pois faz com que os frutos do poder sejam utilizados para comprar os responsáveis por parcelas do poder. Aqui está o campo fértil do nascimento da corrupção. A solução só virá quando um ser evoluído e puro de coração alcançar o poder absoluto e por meio da legalidade, esse sistema é empregado na Igreja Católica e ela já sobrevive há dois mil anos. Esse processo só tornar-se-á possível para todos quando for implantado o governo messiânico e divino no meio da humanidade. Nessa época serão inibidas todas as formas de corrupção e haverá justiça para todos: ‘será o início da era da paz plena’.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 20/06/2005.

Artigos do Rosário:

106 - Evolução cósmica - Publicado em 24/05/2005

Parabéns ao jornal O TEMPO pela fantástica entrevista com o senhor Luiz Gonzaga Scortecci de Paula no dia 17/05/2005: “Transição planetária segundo os ETs”. Realmente existem muitas transferências de seres pensantes entre os diversos sistemas planetários do cosmo. O objetivo primordial de cada ser é a sua evolução ou a conquista da perfeição. Quando um aprende ele procura ensinar aos outros e ai toda a comunidade vai se harmonizando, permitindo assim a evolução e a convivência pacífica entre todos os sistemas de vida no cosmo e o planeta terra é um desses sistemas. Muitos dos atuais habitantes da terra iniciaram suas caminhadas evolutivas em outras galáxias e por causa da evolução do cosmo hoje eles estão aqui.
Só consegui a minha libertação mental quando descobri quem sou, de onde vim, para o quê estou aqui e para onde irei. Perdi o medo de tudo e passei a viver realmente livre.
A nossa constituição física está passando por importantes transformações e muitas experiências já vividas por alguns seres dificilmente serão aceitas pelo atual estágio das nossas ciências e até por nossas atuais religiões, que ainda se escondem na ignorância da fé, no labirinto dos milagres e mistérios.
Como prova do que estou escrevendo digo que no dia 02/02/1991, após fazer um envolvente trabalho mental com o objetivo de por um fim na Guerra do Golfo, recebi um fulminante ataque do plano astral e tive uma parada de coração por várias horas, mas caminhei, dirigi carro e alimentei com líquidos. No exato momento só contei a experiência para a minha esposa, pois decidi que tudo teria que ficar em segredo e não queria ser cobaia da medicina.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 19/05/2005.

107 - Barra pesada - Publicado em 29/05/2005

Parabéns pelo artigo do “magazine” de 22/05/2005, onde se comenta os trabalhos de gravação do filme “Batismo de Sangue”.
Toda vez que leio algo sobre os acontecimentos de 1964 até ao início da década de oitenta, discordo em parte dos que escrevem condenando tudo o que aconteceu por parte dos militares, que tinham a responsabilidade de proteger o povo. Eu tenho uma cicatriz na clavícula esquerda, resultado de uma cacetada, que foi obra de um agente do DOPS e eu não tive nenhuma culpa, apenas era aluno da Faculdade de Ciências Econômicas da UFMG.
A maioria dos revolucionários, que foram para a clandestinidade, não eram santos e nem santas. Todos estes eram doutrinados para matar, pois o objetivo era a conquista do poder central pelas forças revolucionárias. Eles aprenderam que tinham que matar, pois esta era a única solução e isso nunca foi democracia em lugar nenhum. Hoje algum cubano em Cuba pode levantar a voz contra o Fidel Castro e continuar livre ou até vivo? Os guerrilheiros de Fidel tomaram o poder do ditador Batista e colocaram outro no lugar. Alguém sabe me contar quantos europeus do leste morreram durante os regimes comunistas, que foram implantados pela força dos tanques, das armas e das matanças? Este era o regime que queriam trazer para cá.
A solução sempre esteve na vivência harmônica de todos com muito amor e respeito, na divisão perfeita entre todos os indivíduos do valor da produção de uma comunidade, mas isso ainda não está sendo praticado no nosso Brasil. O atual governo central só defendia estes princípios antes de terem o poder nas mãos. Falar é muito fácil, o difícil é fazer.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 23/05/2005.

Artigos do Rosário:

O Rosário que estava há um bom tempo sem enviar os artigos dele, agora resolveu mandar um monte de uma vez. Os artigos são cartas que são publicadas no jornal O Tempo, de Betim.
104 - Hipocrisia (Aborto) - Publicado em 09/05/2005

Li o artigo: “Hipocrisia” do leitor Lair Estanislau Alves de 30/04/2005 e decidi dar a minha opinião sobre o assunto. O irmão Lair defende o aborto e até condena o Código Penal como das mais cruéis injustiças porque o mesmo classifica o aborto como infanticídio.
Para mim o aborto é um dos mais cruéis crimes e às vezes realizado de uma forma bem secreta, pois é um vil ato contra a vida de um ser ainda indefeso, que deveria ser fruto de um ato de amor. Todo crime gera uma dívida e toda dívida tem que ser paga, assim está na lei e lei é lei.
Se uma gestante não soube agir com responsabilidade antes de engravidar será se irá agir com responsabilidade depois, como pensa o irmão Lair? Ele deseja que seja dado a gestante o direito de decidir em querer ou não o feto em seu ventre. Irmão, a pobreza não é sinônimo de marginalidade, conheço muitas famílias pobres que são muito mais honestas do que muitas ricas.
Agora, irmão, faço-lhe esta pergunta se você já pensou se sua mãe o tivesse abortado enquanto você tinha alguns meses como feto? Muitas obsessões têm início após o criminoso ato do aborto, pois colhe-se aquilo que semeia. Cada um recebe de volta tudo conforme foi feito de bom ou não. Cada um é o único responsável por suas vitórias e derrotas, ou se quiserem por sua salvação.
Por tudo isso é que defendo que a solução de muitos problemas só virá quando for feita a união perfeita das religiões com a ciência.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 02/05/2005.


105 - Criação e evolução - Publicado em 17/05/2005

Parabéns ao ecohistoriador e professor Arthur Soffiati pelo artigo: “Evolucionismo, criacionismo e desenho inteligente” de 11/05/2005, pois só iremos aprendendo cada vez mais quando temos a liberdade de pensar e coragem para usar de toda a nossa capacidade mental.
Há alguns anos um testemunha de Jeová emprestou-me um livro para ler: “A Vida – Qual a sua Origem? A Evolução ou a Criação?”. Os autores deste livro negam por convicção a evolução e defendem a criação, mas no próprio livro está apresentada a tese da evolução.
O professor Arthur Soffiati nega a criação. Eu defendo que tudo se evolui depois de ter sido criado, então existe criação e evolução. Nunca podemos negar algo só porque não temos conhecimento do assunto. Deus, o criador incriado, iniciou a criação, sendo assim o primeiro criador. Todo ser criado também pode se transformar em criador, surgindo assim os falsos deuses e Deus sempre respeita plenamente a liberdade de todos.
A fórmula evolutiva de Darwin: “Sobrevive o mais apto” foi substituída por Teilhard de Chardin, um teólogo evolucionista, pela fórmula: “Sobrevive o meais complexo”. Eu defendo que “sobrevive o mais sábio e o mais forte”, pois um sábio forte nunca irá destruir ninguém, mas sempre será respeitado ou até temido pelos mais fracos, pois estes temem a derrota e o sábio forte sobreviverá.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 16/05/2005.

domingo, novembro 13, 2005

Opereta do Frei Joel.

Todos os amigos do Enfrades que moram em Belo Horizonte estão convidados a prestigiar o Frei Joel e o coral Trovadores da Mantiqueira e assistir a opereta Legenda de Santa Clara, de autoria do frei Joel. A apresentação vai ser no dia 25 de novembro, sexta-feira, às 20 horas, no Teatro Dom Silvério, na Av. N. Senhora do Carmo, 230 - portão 3. O ingresso custa R$3,00 mais 1 kg de alimento não perecível. Compareça e leve seus parentes e amigos. Qualquer informação é só ligar para o Tachinha: 2129-9324 ou 9955-4246.
Os "menudos" vão poder matar as saudades dos tempos em que faziam parte dos Trovadores da Mantiqueira.
O pessoal de Divinópolis também vai ter tal apresentação e não sei se seria na quinta-feira (antes) ou (sábado) depois da apresentação em Belo Horizonte.

Convite do Frei Cristóvão

O Frei Cristóvão convida os amigos do Enfrades para assistirem a palestra a ser proferida pelo João Marques de Vasconcelos (Cri - 41/45) na Grande Loja, na Av. Brasil, 478, dia 22, terça-feira, às 20 horas. Após a palestra, nós, os cervejeiros de plantão, poderemos tomar uma cervejinha lá pelas redondezas.

sexta-feira, outubro 28, 2005

Cervejinha extra:

Na quarta-feira, 26 de outubro, por arrumação do Adeir, tivemos uma cervejinha extra no João da Carne, um ótimo bar na Rua Sabinópolis, atrás do Colégio Frei Orlando, no Carlos Prates. A desculpa era para o Frei Chiquinho renovar uma cantada que já havia dado há alguns anos para conseguir doadores para a confecção de roupa de cama (lençol) para o Provincialado. O Adeir, como mexe nesse ramo, se comprometeu a comprar o material, fazer os bordados e a costura e a vaquinha (sem febre aftosa) ficou por conta do Manoel Faria, Helvécio (Jaburu), Afonso (Proveta) e Tachinha.
Estiveram presentes o Amir, Ademar e Alvimar, irmãos do Adeir; Amaury; Gilberto Garcia; Manoel Faria e Angélica - que, coitados, sofreram com a derrota do Galo para o Fortaleza -; Afonso Resende (Proveta); Helvécio (Jaburu); Valjean (Canela); Gilberto Zanoli e Tachinha.
Além do frei Chiquinho, estiveram presentes o Dom Belisáio e o frei Márcio Cabral.

domingo, outubro 23, 2005

Jantar para Dom Belisário.


No dia 21 de outubro fizemos um jantar em homenagem ao nosso arcebispo, Dom José Belisário da Silva. O jantar foi realizado no restaurante do Minas Tênis Clube I, na Rua da Bahia, aqui em Belo Horizonte.
Foi uma noite bem agradável e que contou com as presenças do Gilberto Garcia e Marina; Manoel Faria e Angélica; José Lembi (Pelado) e Vera; João Lembi (Tucano) e Sônia; Vicente Morais (Pinga) e Ângela; Henrique Olegário e Assuelma; Marcelo Brandão e Guida; Paulo Petermann e Sônia; José Vilaça (Rato) e esposa e filho; Helvécio Chaves (Jaburu); Júlio Cézar; Abílio Abel e Maria Luiza; Freis Cristóvão e Chiquinho; René Ferraz; Celso Amaral (Madalena); Amaury; Adeir; Carlos Augusto (Coelhinho); Helton; Luiz Guilherme; Aloísio Tirado (Jaó); Arutana (Careca); José Geraldo (Coruja); Joaquim Diniz (Quincas); João Cardoso; Valjean (Canela); Tachinha; Beatriz, esposa do Arnaldo Bessa e nascida em São Luís, terra do nosso arcebispo; e Paulo de Oliveira, ex-seminarista redentorista de Aparecida e que estava em Belo Horizonte para dar uma palestra numa empresa.
Ao final do jantar não poderíamos deixar de cantar um sonoro IO VIVAT para o nosso arcebispo e um Kyrie Eleison, uma das vontades de Dom Belisário para que seja cantado na missa de sua posse.
Dom Belisário entregou um convite da sua posse como 7º arcebispo de São Luís e que será no dia 19 de novembro, às 17 horas, no ginásio do Colégio Marista.
Para os que quiserem mandar uma mensagem para Dom Belisário, o endereço da Arquidiocese de São Luís do Maranhão é Praça Dom Pedro II, s/nº - Centro – 65001-970 – São Luís – MA.
Veja a foto do convite e as 53 fotos do jantar no endereço dos álbuns colocados na Internet pelo Tachinha: http://br.pg.photos.yahoo.com/ph/enfrades/my_photos e vá ao álbum do jantar.
O pobre do Tachinha teve uma desagradável surpresa, pois ele não parava e na hora do jantar, depois de um descuido, ele teve roubado o peixe do seu prato. Ele imaginava que fosse o Adeir e depois do jantar ele ficou sabendo, por uma câmera escondida, que foi realmente o suspeito que o deixou passando fome...

terça-feira, outubro 18, 2005

Texto do Frei Cristóvão: A impunibilidade...

A IMPUNIBILIDADE COMPROMETE A DEMOCRACIA E CONSTITUI UMA GRANDE INJUSTIÇA CONTRA O POVO

A crise política se prolonga, tornando-se cansativa. O ano vai caminhando para o seu fim. Com o recesso parlamentar, ela promete se estender 2006 adentro. Com o período eleitoral, o Congresso se esvazia por si mesmo, uma vez que, na sua grande maioria, os ssenhores congressistas pleiteiam suas reeleições.
Uma coisa não se pode negar: o Congresso Nacional tem uma dívida no Cartório com o povo brasileiro, sobremaneira, com os que são, compulsoriamente, convocados a votar em outubro-2006, embora, frustrados e desencantados com o mundo político, com a própria Política em si. O que não é bom para o processo de consolidação de nossa Democracia, ainda frágil e, por isso mesmo, vulnerável.
A temporada em que os políticos integrantes das CPIs faziam delas palanque de suas futuras reeleições vai perdendo sua força de “marketing” político.
A arte da encenação, a “mis-en-cène”, também tem seus limites; com o tempo se desgasta, tornando-se antes negativa do que positiva.
Roberto Jefferson nos deixou esta preciosidade: “somos todos iguais”, dirigindo-se ao Congresso Nacional.
Já o vice-presidente, afirma sem pudor, diretamente que “a prática do ”Mensalão” é prática costumeira de todos os partidos!
Seria cinismo e prova de muito desmascaramento, por parte dos senhores congressistas constatarem as irregularidades e deixarem as coisas no pé em que estão. Tudo fica por isto mesmo. A gente dá um mínimo de satisfação à nação, ao povo, cassando alguns casos mais explícitos e escandalosos e continuamos fazendo política assim como sempre o fazemos.
Nós, a Sociedade Civil, somos incitados a reagir e cobrar o cumprimento e respeito da Lei, da Constituição. Caso contrário pecamos por cumplicidade e omissão.
No meu entender, há um problema de fundo que não pode deixar de ser desvendado, e exigido de todos, em especial, dos corruptos e corruptores: esta dinheirama toda sai do bolso de quem? Afinal, quem é que paga a conta?
Tem que ficar claro para todos que, além de ser um obstáculo ao desenvolvimento econômico, a corrupção é um atentado contra a justiça. (Ricúpero, Rubens, “Corrupção e ética universal”, Folha de SP, Dinheiro, B2, 16/10,2005).
O dinheiro do “Caixa Dois” e dos Mensalões, sai do bolso do Povão, que é quem mais paga tributos, seja direta ou indiretamente.
Este desvio de dinheiro tem seus canais:
Superfaturamento de obras;
Taxas extorquidas de fornecedores;
Suborno para obtenção de contratos em prejuízo dos honestos;
Remessa de divisas para os paraísos fiscais (seu montante atinge a faixa de 11 bilhões de dólares!).
Os primeiros injustiçados destas práticas antidemocráticas e anti-republicanas são os pobres. São aqueles que levantam de madrugada, tomam duas conduções, gastam duas horas para chegar a um trabalho penoso. Eles que lutam para sobreviver com decência e dignidade (idem).
São eles os primeiros injustiçados com esta onda de denúncias contra o bem público. Os adeptos de tais práticas, os políticos corruptos do PT, são réus, criminosos que roubam do minguado salário de quem trabalha honestamente. A impunibilidade enfraquece uma Democracia-Adolescente, rouba de quem menos tem.
É uma injustiça a quem é honesto e dá a sua contribuição, pequena, mas de coração, para a construção de um país e de uma pátria que eles querem para todos.

Frei Cristóvão Pereira ofm.

domingo, outubro 16, 2005

Opereta do Frei Joel.

Anote na sua agenda e compareça:

Dia 25 de novembro, sexta-feira, às 20 horas, o Frei Joel estará apresentando a sua opereta: Legenda de Santa Clara e a apresentação será no Teatro Dom Silvério, na Av. N. S. do Carmo, 230, portão 3. Os ingressos custam R$6,00 e R$3,00 (com um quilo de alimento não perecível).
A peça terá a participação do coral Trovadores da Mantiqueira.
O Tachinha vai começar a vender ingressos para a peça e se você estiver interessado é só entrar em contato com ele.

segunda-feira, outubro 10, 2005

Jantar para Dom Belisário.

Dom Belisário estará em Belo Horizonte na próxima semana e estamos organizando um jantar para homenageá-lo pela sua nomeação para arcebispo de São Luiz. O jantar será no dia 21, sexta-feira, às 20 horas. Estamos vendo o local. Se você quiser participar é só entrar em contato com o Jaburu ou com o Tachinha. O telefone do serviço do Tachinha é 2129-9324 ou celular 9955-4246.

domingo, outubro 09, 2005

Falecimento Maria Elizabeth.

Faleceu no dia 2 de outubro a Sra. Maria Elizabeth, esposa do Luciano de Souza Araújo (Tatinha - 55/58). O Luciano é um dos donos da Colchonobre, aqui em Belo Horizonte. Liguei para ele: 3485-1555 e transmite os votos de pesar em nome do pessoal do ENFRADES. Luciano, que Deus lhe dê forças para enfrentar estes percalços a que todos nós temos que passar. Requiescat in pace, Lisa.

quinta-feira, outubro 06, 2005

Sorteio do quadro do Seminário.

O sorteio do quadro do Seminário, pintado pelo prof. Almir, ex-seminarista de Petrópolis e que mora em Santos Dumont, foi realizado no dia 4, dia de São Francisco. O sorteio foi lá no Seminário e assim que souber do número eu coloco no Blog.
Eu trouxe, no final do nosso ENFRADES, 10 blocos e não consegui vender todos. Se alguém quiser comprar algum bilhete ganha 80% de desconto. Quem se interessa ???????

As frases mais mentirosas.

Leia abaixo o e-mail enviado pelo Thúlio Trivelli.

ADVOGADO:- Esse processo é rápido.
POLITICO:- Eu sempre trabalhei pelos pobres!
AMBULANTE:- Qualquer coisa, volta aqui que a gente troca.
ANFITRIÃO:- Já vai? Ainda é cedo!
ANIVERSARIANTE:- Presente? Sua presença é o mais importante...
BÊBADO:- Sei perfeitamente o que estou dizendo.
CASAL SEM FILHOS:- Visite-nos sempre, adoramos suas crianças!
CORRETOR DE IMÓVEIS:- Em 6 meses colocarão: água, luz e telefone.
DELEGADO:- Tomaremos providências.
DENTISTA:- Não vai doer nada.
DESILUDIDA:- Não quero mais saber de homem.
DEVEDOR:- Amanhã, sem falta!
ENCANADOR:- Muita pressão que vem da rua.
FILHA DE 19 ANOS:- Dormi na casa de uma colega.
FILHO DE 19 ANOS:- Antes das 11 estarei de volta.
GERENTE DE BANCO:- Trabalhamos com as taxas mais baixas do mercado.
INIMIGO DO MORTO:- Era um bom sujeito.
JOGADOR DE FUTEBOL:- Vamos continuar trabalhando e forte.
LADRÃO:- Isso aqui foi um homem que me deu.
MECÂNICO:- É o carburador.
MUAMBEIRO:- Tem garantia de fábrica.
NAMORADA:- Pra dizer a verdade, nem beijar eu sei...
NAMORADO:- Você foi a única mulher que eu realmente amei...
NOIVO:- Casaremos o mais breve possível!
ORADOR:- Apenas duas palavras...
OTIMISTA:- Os últimos serão os primeiros...
PEIXEIRO:- Pode levar freguesa; está fresquinho...
POBRE:- Se eu fosse milionário espalhava dinheiro pra todo mundo..
RECÉM-CASADO:- Até que a morte nos separe.
SAPATEIRO:- Depois alarga no pé.
SOGRA:- Em briga de marido e mulher não me meto.
VAGABUNDO:- Há 3 anos que procuro mas não acho nada.
VICIADO:- Essa vai ser a última!
EU:- Este é o último email que repasso!

quarta-feira, outubro 05, 2005

Texto do Frei Cristóvão: Corruptio boni péssima.

Leia abaixo o último texto enviado pelo Frei Cristóvão:

Corruptio Boni Péssima.

(“A corrupção do que é bom, é a pior de todas as coisas”)

O vendaval de corrupção parece não ter fim. Especialistas no assunto afirmam que o que se apurou até então é apenas o iceberg de todo um arquipélogo!
Tenho alguns amigos que asseveram com convicção que o “Homo” é mau, corrupto congenitamente, por natureza.
Disso surge um problema teológico que perdura através dos tempos. Paulo, Boécio, Agostinho, entre tantos, esquentaram a cabeça com a problemática.
Tudo está conectado, tradicionalmente, com o que se convencionou chamar de “Peccatum Originale”. De uma forma ou de outra nossos ancestrais romperam com o seu Criador. Tiveram a pretensão de se igualar, senão, superar quem o criara com amor, dotado de razão e liberdade. Correu este risco, com consciência do que fazia, movido pelo amor e gratuidade, deixando em aberto para o “Homo” a possibilidade de fidelidade ou não aos seus desígnios.
Para a espiritualidade franciscana (Duns Scottus), sobremaneira, esta ruptura lhe causou distúrbios, desequilíbrio existencial, mas não tirou suas qualidades de um ser racional e livre. Ele é bom, honesto, solidário, pacífico, segundo sua idade.
O processo educacional consiste, precisamente, em tornar realidade o que nele é potencialidade. O “Homo” é um devir, um vir-a-ser permanente.
Transpondo para os nossos dias, para o momento de crise ético-política que vivemos e sofremos, podemos tirar algumas ilações, as quais ajudam aclarar a situação.
A corrupção do PT via traição de seu projeto primevo, nos deixa perplexos, indignados, frustrados, enfim.
Relembrando o passado, nossa geração anterior a 64, já defendia um Brasil mais nosso, com um projeto próprio para solidificar nossa identidade. A “elite” de então (elite financeira), avara, gananciosa, individualista, apatriota, como sempre, preferiu salvar seus interesses do que pensar no povo, na maioria dos brasileiros.
Uma elite cínica porque permanece silenciosa, e mesmo indiferente, aos sofrimentos de milhões , seus compatriotas. É uma elite que vibra com o Brasil quando vê seus filhos desfilarem garbosos e robustos pelas avenidas de suas cidades no dia da Pátria. Ou, então, quando a seleção canarinha, estufando a camisa verde-amarela, ergue a taça de campeã do mundo!
Batíamos pelas Reformas de Base e pela reforma estruturante, condicionadora de todas as outras, a Reforma Agrária.
Sofremos e penamos, cada um a sua maneira e circunstâncias. Muitos perderam suas vidas por defenderem que “um outro Brasil era possível e até necessário, como brandimos e gritamos em nossos Fóruns Sociais.
Muitos foram presos, torturados, mortos; outros “desaparecidos”. De muitos foram cassados seus direitos políticos, perderam seus mandatos populares ou foram afastados de suas funções acadêmicas ou judicantes (Carlos Dias, O discurso petista de Marilene Chauí, Opinião, Folha de SP, 19/09/20005: A 3).
O PT teve as suas raízes lá atrás conosco, com os Movimentos Sociais e intelectuais de esquerda da década de 1950-1960. Vieram as CEBs, o Movimento Sindical combativo, e, posteriormente, os Movimentos Populares, alimentados pelas Pastorais Sociais.
Eis o nascedouro do PT. A Esquerda cristã apostou no PT e em Lula como referencial e mediação político-legal no sentido de dar um cunho constitucional ao processo. Mas, acima de tudo, investimos, apostamos num projeto maior.
Muita gente, os mais conscientizados (a Classe Média – profissionais liberais, parte do clero, ligados e comprometidos com os pobres, os excluídos; afinados com o Vaticano II e com a Teologia da Libertação, o povão em geral, queríamos mudanças.)
Dentro de um regime presidencialista como o nosso, respaldado pela Carta Magna, torna-se inviável governar o Brasil sem sujar as mãos! O presidente tem poderes de um faraó!
Além da vitória nas urnas, é mister garantir maioria no Congresso, quase impossível alcançar via eleição. Daí as coligações, as mais paradoxais possíveis, porque, ideologicamente, se excluem.
Para conquistar o Poder, o Estado e nele se perdurar vale tudo. Os fins justificam os meios descaradamente.
Quem as defende se justifica afirmando de que são coligações pragmáticas e não ideológicas. Só que na hora da divisão do botim (o Poder, o Estado), os cortes afetam o núcleo ideológico em termos de estratégia e tática. Tenho um amigo, mordido com o PT no Poder que define o “núcleo duro” do governo-Lula como “República-Sindicalista Soviética”! Bem nos moldes stanilistas, com a metodologia governista conhecida por “Centralismo Democrático”. Aliás, bem a gosto de parte do clero, da Cúria Romana e do pontificado de João Paulo II!
Para governar o Brasil, o cara deve ser um santo (Ética), caso contrário, se corrompe fácil. fácil. na perversidade intrínseca do sistema capitalista, no qual o deus maior (Marduk), é o mercado que se tornou um ídolo sedento do sangue dos excluídos.
A Reforma Política pode ser um meio para diminuir o espaço dos que se profissionalizaram na “arte” de extorquir o erário público, vale dizer, em explorar o povo.
Frei Cristóvão Pereira ofm.

domingo, outubro 02, 2005

Golpe do cartão de crédito:

Veja abaixo o e-mail enviado pelo José Eduardo (Dado), irmão do Jaburu:

ATENÇÃO COM ESTE GOLPE, MUITO BEM FEITO E DIFÍCIL DE PEGAR

Você estará mais bem preparado para se proteger entendendo este novo tipo de fraude com cartões de crédito feito via telefone. Os ladrões estão cada dia mais criativos !
Você recebe uma chamada e a pessoa diz: "Estamos chamando do Departamento de Segurança de VISA (por exemplo). Me chamo Fulano e meu número de identificação funcional é 12460. Você comprou (qualquer coisa bem estranha como um dispositivo Anti-Telemarketing) no valor de US$497,99 de uma companhia baseada no Arizona, USA?"
É claro que você responde que não, ao que se segue: "Provavelmente seu cartão foi clonado e estamos chamando para verificar. Isto confirmado estaremos emitindo um crédito ao seu favor. Este tipo de transação está acontecendo com despesas que variam de US$ 297 a US$ 499, justamente abaixo do valor de US$ 500 que aciona a maioria dos alertas. Antes de processar o
crédito, gostaríamos de conferir alguns dados:
O seu endereço é tal?" (Isto pode ser retirado facilmente das listas telefônicas via Internet). Ao você responder que sim o golpista continua:
"Qualquer pergunta que o Sr tenha, deverá chamar o número 0-800 que se encontra na parte traseira de seu cartão e solicitar pelo Departamento de Segurança.
Por favor, tome nota do seguinte número de protocolo" O bandido dá-lhe então um número de 6 dígitos e pede: "Você poderia lê-lo para confirmar?"
Aqui vem a parte mais importante da fraude. Ele diz então: "Desculpe, mas temos que verificar que o(a) Sr.(a.) está de posse de seu cartão. Por favor pegue seu cartão e leia para mim o seu número". Feito isto, ele continua:
"Correto. Agora vire o seu cartão e leia para mim os 3 últimos números(ou 4 dependendo do cartão)". Estes são os 'Números de Segurança' (Pin Number) que você usa para fazer compras via Internet, para provar que está com o cartão! (No Amex estão na frente, meio escondidos no corpo do cartão).
Depois que você informa os referidos números ele diz: "Correto! Entenda que era necessário verificar que o cartão não estava perdido nem tinha sido roubado e que o(a) Sr.(a) estava com ele em seu poder. Você teria alguma outra pergunta?"
Depois que você diz que Não, o ladrão agradece e finaliza.
Provavelmente, em menos de 10 minutos, uma compra será lançada no seu cartão, e muitas outras, caso você não perceba a fraude até a chegada do extrato. Como se proteger desta ação criminal?
É quase inútil fazer denuncias à polícia. Até nos USA é difícil o rastreio destas ligações. Caso receba este tipo de ligação você pode falar para o bandido desligar que você fará a ligação para o 0800. Mas, mesmo que você desligue, fica claro que a melhor maneira é estar alerta e comunicar a todo mundo sobre a existência deste golpe.

sábado, outubro 01, 2005

Greve de fome pelo Rio Francisco

Segue abaixo o e-mail enviado pelo frei Jacir com a carta de Dom Luiz Flávio.


Caríssimos Confrades,
Paz e bem!
Seguem abaixo a carta de Dom Luiz Flávio, nosso confrade, que como é do conhecimento público está fazendo greve de Fome, como manifestação contra a transposição do Rio São Francisco. Ele escreve ao Presidente Lula. Já lhe enviei correspondência manifestando a solidariedade da nossa Província. Segue também a Carta da CNBB a Dom Luiz. Este seu gesto profético nos leva a reflexão sobre os reais impacto de uma Transposição do Velho Chico. Aproveitemos a oportunidade para refletir a temática com nossas comunidades paroquiais, na ocasião da festa de São Francisco.
Uma outra notícia. Frei Luciano chegou bem de viagem em Campo Grande. Frei Mariano está internado. Ele teve trombose e embulia pulmonar. Está sendo medicado e passa bem. Rezemos pela sua pronta recuperação
Uma abraço para todos!
Frei Jacir de Freitas Faria
Séc. Provincial

Dom LUIZ FLÁVIO ao iniciar a GREVE DE FOME, enviou carta ao Lula e fez a seguinte declaração:
Declaração: "Uma vida pela Vida
Em nome de Jesus Ressuscitado que vence a morte pela vida plena, faço saber a todos:

De livre e espontânea vontade assumo o propósito de entregar minha vida pela vida do Rio São Francisco e de seu povo contra o Projeto de Transposição, a favor do Projeto de Revitalização.
Permanecerei em "greve de fome", até a morte, caso não haja uma reversão da decisão do Projeto de Transposição.
A "greve de fome" só será suspensa mediante documento assinado pelo Exmo. Sr. Presidente da República revogando e arquivando o Projeto de Transposição.
Caso o documento de revogação, devidamente assinado pelo Exmo. Sr. Presidente, chegue quando já não for senhor dos meus atos e decisões, peço, por caridade, que me prestem socorro, pois não desejo morrer.
Caso venha a falecer, gostaria que meus restos mortais descansassem junto ao Bom Jesus dos Navegantes, meu eterno irmão e amigo, a quem, com muito amor, doei toda minha vida, em Barra, minha querida diocese.
Peço, encarecidamente, que haja um profundo respeito por essa decisão e que ela seja observada até o fim.
"Quando a razão se extingue, a loucura é o caminho".
Barra, Bahia, Dom Frei Luiz Flávio Cappio, OFM,

Carta da Presidência da CNBB a Dom Frei Luis Flávio Cappio, OFM
Brasília-DF, 28 de setembro de 2005
P. nº 0708/05
Prezado irmão, Dom Luís Flávio Cappio
Paz e Bem!
No momento em que você toma uma decisão de extrema importância em sua vida, queremos assegurar-lhe a presença fraterna de seus irmãos bispos da Presidência e do Conselho Episcopal de Pastoral da CNBB. Sabemos que estamos diante de uma atitude extrema, mas também de grande generosidade. Qualquer que seja o juízo sobre a oportunidade de sua decisão, não é possível deixar de reconhecer a nobreza de seu propósito. Num mundo acostumado à ganância de quem quer tudo para si, sua luta em favor do povo pobre, tem a marca evangélica de Francisco de Assis no seguimento de Jesus.
Nos difíceis dias que vêm pela frente, conte com nossa constante oração. O Senhor esteja sempre ao seu lado dando-lhe luz para discernir.
Que Deus ilumine igualmente nosso governo e nossa sociedade no encaminhamento de uma solução mais partilhada e convergente com relação às águas do rio São Francisco e dos pobres do Nordeste.
Nossa oração é também para que você se mantenha aberto e disponível a novos dados que possam sobrevir do Espírito e da Comunidade Eclesial, em vista de um constante discernimento.
Que Deus o abençoe, proteja e guarde.
Um abraço fraterno
Cardeal Geraldo Majella Agnelo Dom Antônio Celso de Queirós
Arcebispo de São Salvador da Bahia Bispo de Catanduva, SP
Presidente da CNBB Vice-Presidente da CNBB

Dom Odilo Pedro Scherer
Bispo Auxiliar de São Paulo
Secretário- Geral da CNBB

quarta-feira, setembro 28, 2005

Notícias do Provincial

Segue abaixo o e-mail recebido do Frei Jacir.

Frei Luciano Brod se ausentará das funções de Ministro Provincial para convalescença

Como é do conhecimento de todos nós, o nosso Provincial, Frei Luciano Brod tem passado por uma bateria de exames médicos. A origem dos sintomas que ultimamente têm lhe causado enfraquecimento, vômitos, dor de cabeça e desmaios, etc, tem sido de difícil diagnóstico. Fisicamente ele está bem. A operação de próstata foi bem sucedida. Tudo indica que ele passa por um momento de stress acentuado. Conforme orientação médica e anuência do Definitório, ele vai passar um período de tempo indeterminado na casa de sua irmã, Ir. Rita Brod, na cidade de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, para tratamento de saúde. O seu irmão e nosso confrade, Frei Hugolino Brod, o acompanhou na viagem, ocorrida no dia 28 de setembro de 2005.

Conforme as CCGG Art. 228, o Vigário Provincial, Frei Eduardo Metz, assume os serviços inerentes à função.

Desejamos ao Frei Luciano Brod um saudável tempo de recuperação e pedimos a Deus que continue cobrindo-o de bênçãos. Pedimos aos confrades que continuem tendo-o presente nas orações diárias.
Um abraço para todos e boas festas de São Francisco!

terça-feira, setembro 27, 2005

Cultura inútil:

Segue abaixo um pouco de cultura inútil. O responsável pelo envio destas "preciosidades" foi o Hélcio Resende.

24 coisas que você não pode morrer sem saber :
01 - O nome completo do Pato Donald é Donald Fauntleroy Duck.
02 - Em 1997, as linhas aéreas americanas economizaram US$ 40.000 eliminando uma azeitona de cada salada.
03 - Uma girafa pode limpar suas próprias orelhas com a língua.
04 - Milhões de árvores no mundo são plantadas acidentalmente por esquilos que enterram nozes e não lembram onde eles as esconderam.
05 - Comer uma maçã é mais eficiente que tomar café para se manter acordado.
06 - As formigas se espreguiçam pela manhã quando acordam.
07 - As escovas de dente azuis são mais usadas que as vermelhas.
08 - O porco é o único animal que se queima com o sol Além do homem.
09 - Ninguém consegue lamber o próprio cotovelo, é impossível tocá-lo com a própria língua.
10 - Só um alimento não se deteriora: o mel.
11 - Os golfinhos dormem com um olho aberto.
12 - Um terço de todo o sorvete vendido no mundo é de baunilha.
13 - As unhas da mão crescem aproximadamente quatro vezes mais rápido que as unhas do pé. 14 - O olho do avestruz é maior do que seu cérebro.
15 - Os destros vivem, em média, nove anos mais que os canhotos.
16 - O "quack" de um pato não produz eco, e ninguém sabe porquê.
17 - O músculo mais potente do corpo humano é a língua.
18 - É impossível espirrar com os olhos abertos.
19 - "J" é a única letra que não aparece na tabela periódica.
20 - Uma gota de óleo torna 25 litros de água imprópria para o consumo.
21 - Os chimpanzés e os golfinhos são os únicos animais capazes de se reconhecer na frente de um espelho.
22 - Rir durante o dia faz com que você durma melhor à noite.
23 - 40% dos telespectadores do Jornal Nacional dão boa-noite ao William Bonner no final.
24 - Aproximadamente 70 % das pessoas que lêem este e-mail, tentam lamber o próprio cotovelo!!!

quinta-feira, setembro 22, 2005

Página da Arquidiocese de São Luís.

Aí vai o endereço da página da Arquidiocese de São Luís: http://www.arquidiocese.com.br/

Notícias do Maranhão

Pesquisando jornais de São Luís na Internet sobre a nomeação de Dom José Belisário achei estas notícias abaixo:

Novo Arcebispo Metropolitano de São Luís é de Minas Gerais

da Redação - Jornal "O Imparcial" - www.oimparcial.com.br

O próprio Dom Paulo Ponte leu, na manhã de desta quarta-feira, a carta, vinda diretamente do Vaticano, em que anunciava o nome de seu sucessor na liderança do episcopado metropolitano de São Luís. Dom José Belisário Silva, que era bispo de Bacabal, passará a exercer a função.

Segundo Dom Paulo Ponte, desde novembro de 2004 ele havia notificado ao próprio Papa, então João Paulo 2º, que não possuia mais condições de exercer o espicopado em São Luís. Dom Paulo alegou que não estava muito bem de saúde. Os médicos descobriram que ele possuía uma fibrose pulmonar. Além de já está bem avançado em idade. o Arcebispo ficou por mais de 21 anos no cargo em em São Luís.

"Achava que tinha chegado o momento de dar um arcebispo mais jovem a São Luís", afirmou Dom Paulo, que disse também que coube ao Papa Bento XVI validar sua saída.

Dom Paulo continuará como Bispo Emérito de São Luís, e exercerá a chefia do episcopado metropolitano até que Dom Belisário Silva assuma o cargo, o que deve acontecer no final do mês de novembro, quando acontece a festa do Cristo Rei.

DOM JOSÉ BELISÁRIO

Dom José Belisário da Silva, Bispo de Bacabal, nasceu em Carmópolis de Minas, na Diocese de Oliveira (Brasil) a 4 de agosto de 1945. Freqüentou a escola elementar e secundária no Seminário Santo Antônio, em Santos Dumont, no Estado de Minas Gerais. Cursou Filosofia na cidade de Daltro Filho, no Estado do Rio Grande do Sul, no Instituto Franciscano, e fez o curso de Teologia no Instituto Central de Teologia de Belo Horizonte. Obteve a Licença em Filosofia pela Faculdade de Divinópolis, em Minas Gerais.

Vestiu o hábito franciscano a 11 de fevereiro de 1963, iniciando o ano de Noviciado; a 2 de fevereiro de 1964 emitiu os votos temporários. Fez a Profissão solene a 2 de fevereiro de 1969 e foi ordenado sacerdote a 13 de dezembro de 1969.

Desempenhou o cargo de Vigário Paroquial na Paróquia de Abaeté e na Paróquia de Nossa Senhora de Fátima, em Teófilo Otoni; foi Secretário e Ecônomo Provincial; Mestre dos estudantes de Filosofia; Diretor administrativo e Mestre dos Postulantes em São João Del Rei; Definidor Provincial. Atualmente era Reitor do Seminário Seráfico Santo Antônio, em Santos Dumont, Diocese de Juiz de Fora.

Atualmente o Ministro geral da Ordem o havia nomeado Visitador geral para a Província da Imaculada Conceição no Brasil, e ele já havia começado a visitar os frades.

Dom José será o 30º bispo de São Luís e o 7º Arcebispo Metropolitano da Capital.

21/09/2005 - 07:44 - Nota ilustrativa - Por dom Paulo Ponte

Caríssimos Dom Geraldo, meu querido Bispo Auxiliar, e demais Bispos do Maranhão, Prezados Presbíteros, Religioso(a)s, Seminaristas e Leigo(a)s da Arquidiocese de São Luís,

Em novembro de 2004, tinha comunicado aos participantes da Assembléia Arquidiocesana de Pastoral ter dirigido ao Papa João Paulo II o meu pedido de renúncia ao governo da Arquidiocese de São Luís, explicando-lhe estar convencido de que o § 2 do Cânon 401 do Código de Direito Canônico expressava exatamente o meu caso: “O Bispo Diocesano que, por doença ou por outra causa grave, se tiver tornado menos capacitado para cumprir seu ofício, é vivamente solicitado a apresentar a renúncia ao ofício”.

Encontrava-me fragilizado por uma fibrose pulmonar, bloqueado na criatividade e iniciativa, um tanto angustiado, não tendo as condições para enfrentar eficazmente os atuais desafios pastorais e financeiros da Arquidiocese de São Luís. Achava que tinha chegado o momento de dar a São Luís um Arcebispo mais jovem, sadio, dinâmico, jeitoso e criativo.

João Paulo II estava também fragilizado. Sua saúde vinha definhando, até que foi encontrar-se com o Senhor Jesus, no céu, no dia 2 de abril de 2005. Coube a Bento XVI, seu sucessor, acolher o meu pedido de renúncia e nomear o meu sucessor. A notícia destas duas decisões pontifícias, conforme a carta do Sr. Núncio Apostólico, datada de 14 de setembro de 2005, só deveria ser publicada na data de hoje, 21 de setembro, quarta-feira, às 12 horas de Roma. É o que eu acabo de fazer agora, logo depois das 7 horas da manhã, em São Luís, como de costume, através da querida Rádio Educadora.

A partir deste momento, não sou mais Arcebispo Diocesano de São Luís, mas somente Arcebispo Emérito, devendo, porém, permanecer como Administrador Diocesano até a posse do meu sucessor que escolheu, como data preferida para a sua posse, dentro de dois meses, a Festa de Cristo Rei, no fim de novembro.

Numa Diocese, o motivo principal de preocupação não deve ser o cargo e a saúde do Bispo mas o bem pastoral e espiritual das ovelhas a ele confiadas. É por esse motivo que muito me alegro com a nomeação de um novo Arcebispo saudável e bem disposto para São Luís, Dom José Belisário da Silva, até agora Bispo de Bacabal.

Convido a todos os meus diocesanos a se unirem ao meu agradecimento ao único Bom Pastor, Jesus, por tudo o que Ele realizou em São Luís, através de mim, seu pastor auxiliar, com a colaboração dos meus dois Bispos Auxiliares, Dom Xavier e Dom Geraldo, por mais de 21 anos. Escutem também o meu pedido de perdão a Ele e a todos vocês. Como São Paulo, nem sempre consegui fazer só o bem que queria, deixando-me atingir também pelo mal que não queria. Foi preciso que eu reconhecesse a minha timidez e as minhas fragilidades para que nelas se manifestasse a força da misericórdia do Senhor. Se, nas

pregações, dei testemunho até emocionado de Jesus, nem sempre ele foi acompanhado de um testemunho de vida totalmente fiel ao seguimento radical de Jesus. Não me parece ter atendido com inteira fidelidade ao seu convite: “aprendei de mim porque sou manso e humilde de coração”.

Mas o mais importante, hoje, é agradecer à Trindade Santa pelo dom de Dom José Belisário da Silva à Arquidiocese de São Luís. A 1°/12/1999, Dom Belisário já fora nomeado Bispo de Bacabal por solicitação de alguns Bispos do Maranhão. Sou-lhe grato pela sua disponibilidade a deixar a sua terra querida, Minas Gerais, para vir pastorear uma porção do rebanho de Jesus, no Maranhão. Frade Franciscano Menor, veio para cuidar de Bacabal, uma Diocese que, desde a sua criação, estava confiada aos Filhos de São Francisco. Depois de uma relativamente curta mas fecunda experiência de quase seis anos de episcopado, atendeu aos apelos de Deus e da Igreja do Maranhão, aceitando o cargo de Arcebispo Metropolitano de São Luís. Eu tinha percebido que alguns de seus confrades e colegas bispos desejavam que ele fosse continuar o exercício do seu pastoreio episcopal em Minas Gerais, sua terra. Mais uma vez, deixando-se guiar pelo Espírito do Senhor, “como se visse o invisível”, (é este o seu lema episcopal), renunciou à sua terra e , procurando ver Jesus, caminho, verdade e vida, aceitou como vontade de Deus tornar-se o Metropolita da nossa Arquidiocese, atendendo a outro apelo dos seus irmãos Bispos do Maranhão.

Em 1745, o sexto Bispo do Maranhão, Dom Manuel da Cruz, cisterciense, foi transferido de São Luís para Mariana, tornando-se o primeiro Bispo de Minas Gerais, depois de uma viagem que durou mais de um ano. Agora, Dom José Belisário, mineiro franciscano, torna-se o 30° Bispo e 7º Arcebispo de São Luís do Maranhão, depois de percorrer apenas 250 quilômetros de asfalto.

Atentos à Palavra de Deus, acolhamos com a obediência da fé, a ternura da caridade e a consolação da esperança, o nosso irmão Dom José Belisário, servo de Cristo Jesus, apóstolo pela vontade de Deus, escolhido para ser pastor e pescador de homens e mulheres, em vista do Reino de Deus, proclamado pelo Evangelho, na nossa Igreja particular de São Luís.

São Luís, Rei de França, padroeiro principal da Arquidiocese de São Luís, Nossa Senhora da Vitória, Titular da Catedral, e São José de Ribamar, Protetor dos maranhenses, amparem Dom Belisário no seu novo pastoreio. E que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam sempre com ele e suas novas ovelhas.

“Amém! Vem, Senhor Jesus!” (Ap. 22,20)




quarta-feira, setembro 21, 2005

Habemus Archiepiscopum:

O Manoel Faria foi o primeiro a dar a boa notícia e depois recebi o e-mail do Frei Jacir, secretário geral da Província com a alegre notícia abaixo:

Caríssimos Confrades,

Paz e bem!

Conforme nota da CNBB, hoje dia 21 de setembro de 2005, o nosso Confrade Dom Belisário foi nomeado Arcebispo de São Luís (MA).

Parabéns para o nosso confrade e boa continuidade no seu apostolado.

Frei Jacir de Freitas Faria

Sec. Provincial

Dom José Belisário da Silva foi nomeado Arcebispo Metropolitano de São Luis (MA)

O papa Bento XVI aceitou hoje, 21 de setembro de 2005, a renúncia ao governo pastoral da arquidiocese de São Luís (MA), apresentada por Dom Paulo Eduardo Andrade Ponte, em conformidade com o cân. 401 § 2 do Código de Direito Canônico. Nomeou arcebispo metropolitano de São Luis Dom José Belisário da Silva, O.F.M., até o momento bispo de Bacabal (MA).

Dom José Belisário da Silva nasceu em Carmópolis de Minas, na diocese de Oliveira (MG) em 4 agosto de 1945. Em 1° de dezembro de 1999 foi nomeado bispo de Bacabal (MA).

A Dom José Belisário da Silva, a CNBB se une na profunda fé – “como se visse o invisível” (Hb 11,27) – e na docilidade à ação do Espírito Santo para o serviço pastoral ao povo de São Luis.




A posse de Dom José Belisário em São Luis está marcada para o dia 19 de novembro, mas o nosso amigo Abelardo já está proibido de fazer discurso .
Antes da posse, Dom Belisário deve passar por Belo Horizonte e logicamente faremos uma reunião para comemorar esta boa notícia.
Parabéns Dom José Belisário! Nós, seus amigos do Enfrades, estamos alegres com esta notícia e pedimos a Deus e o Divino Espírito Santo que continuem a ser os baluartes na sua caminhada.

sexta-feira, setembro 16, 2005

Convite Raimundo Nonato:

O Raimundo Nonato Barbosa de Carvalho (Raul - 75/79) é professor na Universidade Federal do Espírito Santo e enviou o e-mail abaixo:

Caríssimo Tachinha,
Estarei lançando no dia 28 de setembro, a partir de 18:30, no auditório 2001 da Faculdade de Letras da UFMG, uma edição das Bucólicas de Virgílio, com o texto original e a tradução de minha lavra, além de um estudo-comentário. Trata-se de um livro ilustrado com uma versão em brochura e outra em capa dura. Como sei que entre os "enfradistas" se encontram muitos cultores da literatura latina, gostaria que você me ajudasse a divulgar o livro entre o pessoal. Nesse dia, antes do lançamento farei uma pequena conferência junto com professores da UFMG, que me convidaram e seria honroso contar com a presença dos amigos meus e de Virgílio.
Abraços,
Raimundo

terça-feira, setembro 13, 2005

Mozart Vianna - Câmara dos Deputados





Foi publicada na edição de domingo, 10 de setembro, uma reportagem de página inteira, do jornalista Ivan Carvalho Finotti, no caderno Aliás do Estado de São Paulo com o nosso amigo Mozart Vianna de Paiva.
Veja abaixo a reportagem enviada pelo Dante (Elefante).
No mesmo jornal já saiu, há um bom tempo, uma outra reportagem com o nosso amigo Mozart.
É uma pena que o seu serviço na Câmara dos Deputados nunca permitiu que ele comparecesse aos nossos encontros em Santos Dumont. Ele já foi "intimado" várias vezes e um dia ele aparece.

A 1ª foto é dos tempos de seminário, em Santos Dumont. O Mozart é o 1º da 1ª fila, da esquerda para a direita.
A 2ª foto é de Protásio Nene e a 3ª é de Dida Sampaio, ambas da Agência Estado..

Domingo, 11 de Setembro de 2005

A cadeira do homem da mesa

O secretário-geral da Câmara gosta muito de Severino: foi ele quem lhe deu assento após 14 anos em pé

Ivan Carvalho Finotti

Será que Mozart vai perder sua cadeira na Câmara dos Deputados? Não, não adianta procurar na lista dos 18 cassáveis, porque Mozart não está lá. Mozart não é deputado. Mozart Vianna de Paiva, 54, é o secretário-geral da Mesa Diretora da Câmara, o principal assessor dos presidentes da Casa, cargo ocupado por Severino Cavalcanti no início deste ano. Mozart está lá, exercendo o papel de anjo da guarda dos deputados-presidentes, desde março de 1991, quando o antigo titular se aposentou e ele foi promovido pelo então presidente Ibsen Pinheiro.

Mozart sabe tudo sobre as leis do Congresso. Sabe tudo sobre as filigranas jurídicas do plenário. Sabe tudo sobre os ritos que regulam a Câmara. Essa votação é em um ou dois turnos? "Um turno com maioria absoluta", esclarece Mozart. Essa medida provisória que entrou agora vai trancar a pauta? "Só após a publicação no Diário Oficial", destrincha. Quem assume se o presidente da Câmara cair? "Se for licença, o vice", deslinda. E se for cassação? "Renúncia ou cassação abrem vacância. Nesse caso, uma nova eleição tem de ser convocada em cinco sessões", destrama.

Mozart é o cara para perguntar sobre essas coisas de regimentos políticos. Os jornalistas de Brasília adoram Mozart e todo mundo lá tem seus telefones; o do gabinete, o do celular, o de casa. Ele até tem uma cara de bravo, mas é uma impressão que passa à primeira frase. Um repórter conta que já ligou à meia-noite para a casa dele para tirar uma dúvida urgente. Foi atendido com a mesma gentileza das 14 horas. Suas secretárias anotam todos os telefonemas que recebe, com hora e minutos. Mozart retorna a todos, sem exceção, mesmo que seja dias depois, devido ao grande acúmulo de trabalho. Nem quando os jornalistas chamam o Mozart de Môzart (o correto é falar com acento no 'a'), ele se chateia. Talvez porque seu sonho era fazer jornalismo.

Ele até começou a cursar, mas largou quando foi aprovado no concurso de datilógrafo para a Câmara, em 1975. Como secretário-geral da Mesa há 15 anos, trabalha sempre para o presidente da Casa, mas sua imparcialidade está acima dos cargos e partidos. "Eu não faço política, faço trabalho técnico. Quem faz política aqui são os parlamentares. Eu sempre separo muito bem isso. Não sei fazer política e não cabe a mim fazer política. O importante é dar assessoramento correto, dentro das normas, e isso não está subordinado a sentimento de simpatia ou antipatia. O trabalho tem de ser imparcial. O que não quer dizer que a gente não goste do presidente."

É claro que Mozart gosta do atual presidente, como gostou de todos os outros sete que assessorou, mas esse é especial. Afinal, foi Severino Cavalcanti quem eliminou uma injustiça, por assim dizer, histórica. Depois de servir aos presidentes durante todas as sessões do plenário nos últimos 14 anos, Mozart ganhou uma cadeira no início de 2005. Isso mesmo: desde 1991 Mozart acompanhava às sessões tão em pé quanto este ponto de exclamação! Assessorou o impeachment de Collor em pé! Assessorou a CPI do Orçamento, que defenestrou seis deputados sem contar os quatro que renunciaram, em pé! Assessorou a votação da vitória de Severino, que durou 17 horas, em pé! E, na primeira sessão em que o deputado pernambucano se sentou na cadeira de presidente, virou para a esquerda, olhou para cima e disse: "Não sei como você agüenta ficar em pé nesse tumulto todo". Mozart sorriu e desconversou. Não falou sobre as dores na coluna. Não falou que estava freqüentando médicos por isso. Mas um mês depois ganhou sua cadeira.

"O presidente foi muito generoso. Aliás, foi a senhora dele, uma senhora muito distinta, a dona Amélia, que comentou: 'Ô, Severino, aquele rapaz que fica em pé lá com você o tempo todo...' Eu não me acostumei até hoje. Acho que a mesa é dos parlamentares. Depois de 14 anos em pé ali, ainda estranho ficar sentado. Por isso fiz questão de que fosse uma cadeira simples, supersimples, diferente da dos parlamentares. A deles é alta, de espaldar. A minha também é de couro, mas é pequenininha. Sou mero ajudante."

PELA ORDEM

O presente foi um acontecimento na Câmara, com direito a manifestações oficiais, como a do bispo Carlos Rodrigues, do PL do Rio:

- Senhor presidente, peço a palavra, pela ordem.

- Tem Vossa Excelência a palavra - respondeu Severino.

- Senhor presidente, deputado Severino Cavalcanti, parabenizo Vossa Excelência pela decisão sábia e bondosa de deixar esse abnegado trabalhador à sua esquerda, o senhor Mozart Vianna, que há 20 anos trabalha em pé nesta Casa assessorando todos os presidentes, trabalhar sentado. Parabéns, senhor presidente. A atitude de Vossa Excelência demonstra que é um homem de coração justo e bom. Senhor Mozart Vianna: quem ficou 20 anos esperando merece ficar sentado por mais 20. Parabéns.

"Não vejo motivo para tanto, não", diz um constrangido Mozart ao se lembrar do ocorrido. Modéstia, aliás, é algo que não falta a Mozart Vianna. Ele, por exemplo, terá ficado duplamente constrangido ao ler os parágrafos acima e se ver como personagem principal de uma reportagem ("Não sou ninguém para ficar aparecendo em jornal, não."). E, talvez, até bravo ao ler que ele é o cara que sabe tudo sobre a Câmara. Porque Mozart sempre faz questão de, ao dar qualquer informação, dizer que se trata de trabalho conjunto dele e de sua equipe.

Ele também não quer ser mal compreendido. Durante toda esta semana, foi destacado por jornalistas e deputados para discorrer sobre os possíveis cenários da crise. Falou sobre as possibilidades e conseqüências jurídicas de um pedido de licença, renúncia ou cassação. Mas a todos os interlocutores ressaltava: "Não há nada provado, nada de concreto, estou respondendo o que você me perguntou: a tese, o cenário jurídico. Porque o presidente falou lá em Nova York que não existe nada, que ele tem como comprovar etc. e tal. Ressalvado isso, você me pergunta quais são os cenários..."

E depois de falar sobre os tais cenários, só para o caso de alguém não ter entendido, completava: "Agora, sempre ressalvando que não há provas e que o presidente disse que vai esclarecer tudo..." E, em seguida, o secretário dividia o mérito: "Esse trabalho de análise jurídica não é meu. A gerência toda foi do gabinete da presidência. A secretaria da Mesa só entrou na medida em que foi consultada na parte regimental".

SEMINARISTA

Nascido em Corinto, Minas Gerais, e torcedor do Atlético Mineiro (ele tem uma bandeirinha do Galo no gabinete), Mozart foi seminarista franciscano em São João del Rey dos 10 aos 18 anos. Mas o seminário pegou fogo e Mozart se viu em busca de emprego na capital mineira. Um irmão o chamou a Brasília e, após alguns bicos, entrou na Câmara dos Deputados com 23 anos, no tal concurso de datilógrafo. Largou o Jornalismo e acabou se formando tempos depois em Letras no Centro Universitário de Brasília. Seu nome, conta ele, não tem nada a ver com o célebre compositor vienense. "Meu pai, que era muito simples, tinha um conhecido com esse nome. Foi apenas uma homenagem a esse amigo."

Como testemunha privilegiada da história política brasileira, vendo por sobre os ombros importantes, Mozart viveu diversos momentos inesquecíveis. O primeiro que ele cita, no segundo semestre de 1992, foi o do impeachment. "Porque nunca havia tido impeachment e a lei era de 1950. E já havia uma nova Constituição, de 1988. A pergunta era: como a lei é de 1950, ela ficou caduca com a nova Constituição? Havia outras dúvidas cruciais. Seria em dois turnos? Votação secreta? Analisamos todo o processo com o presidente Ibsen Pinheiro, que é procurador e tem sólida formação jurídica. Ali foi definido o rito. Detalhes importantes, como o fato de que foi definido um turno só e votação aberta. E eu tinha acabado de entrar como titular."

"Outro momento muito importante - e difícil - foi o da CPI do Orçamento, também de muita tensão, como hoje, porque parlamentares estavam sujeitos ao julgamento da Casa. Tudo isso mexe muito com a gente. São pessoas que a gente conhece, acaba gostando delas."

O fato que mais o emocionou, entretanto, aconteceu fora da Câmara. "Foi a morte de Luís Eduardo Magalhães. Eu era muito próximo dele, nos demos muito bem e além de presidente eu o considerava meu amigo pessoal." Magalhães morreu de enfarte em 1998, um ano depois de deixar a presidência da Câmara dos Deputados. É o único dos presidentes com quem trabalhou que ganhou uma homenagem de Mozart: um quadro em seu gabinete.

E agora? Com essa confusão toda, será que Mozart corre o risco de perder sua cadeira ou ele pode reclamar sua posse por usucapião? "A cadeira... Acho que continua... Os deputados, alguns dizem que foi bom...", balbucia, cheio de cuidados para não desagradar a ninguém. Mas a verdade é que, sem ela, ficaria difícil. "Não é só o fato de ficar horas em pé. É o movimento de se abaixar e remexer nos papéis o tempo todo." Para diminuir as dores na região lombar, por exemplo, chegou a substituir os cintos, que lhe apertavam a coluna, por suspensórios coloridos. De quebra, ficou mais chique. Mas o pior é que Mozart é igual a quase todo mundo: no semestre passado, a pedido do médico, se matriculou na academia para fazer hidroginástica. Foi duas vezes e nunca mais...

HISTÓRIA

"No impeachment, decidimos todo o rito: votação em um turno, aberta, com maioria de 2/3"

"Fiz questão de uma cadeira simples. A deles tem espaldar. Sou só um ajudante"

quarta-feira, setembro 07, 2005

Falecimento de Frei Alexandre.


Segue abaixo o e-mail enviado pelo Frei Jacir.

Caríssimos Confrades,
Paz e bem!
Mais uma vez, a irmã morte nos visita, pela quarta vez, em menos de dois meses. Na madrugada do dia 7 de setembro de 2005, no Hospital São João de Deus, em Divinópolis (MG), faleceu o nosso confrade Frei Alexandre Noordeloos. Ele já estava internado há alguns dias e veio a falecer vítima de pneumonia dupla. Rezemos por ele, para descanse em paz, em Deus. A missa de corpo presente será às 15 h., em Divinópolis. Logo em seguida, o corpo será levado para Areias, onde será sepultado.
Frei Alexandre Noordeloos nasceu no dia 19 de junho de 1914, na cidade de Grotebroek, na Holanda. Viveu 91 anos. Fez seus Votos Solenes na Ordem Franciscana em 1937. ainda na Holanda. No mesmo ano, veio morar em Divinópolis, onde recebeu a Ordem do Presbiterato, no dia 22 de outubro de 1939. Em 1940, Frei Alexandre foi transferido para Santos Dumont. Ele foi um dos co-fundadores do Seminário Seráfico Santo Antônio. No ano seguinte, Frei Alexandre foi morar em São João Del Rei, depois Belo Horizonte, Pirapora, Cordisburgo e, por fim, em Pará de Minas, no ano de 1945, onde permaneceu até 1960, trabalhando como professor. A morada seguinte foi Cascadura, no Rio de Janeiro, até o ano de 1962. Em seguida, Frei Alexandre trabalhou por dois anos em Betim, no pré-Seminário. Em 1965, esteve novamente em Pará de Minas. Em seguida, ele foi transferido para Teófilo Otoni, no ano 1966, para trabalhar no Colégio São José. Transferido para a cidade de Corinto, Frei Alexandre aí viveu até 1974. Depois, morou em Cordisburgo, Ritápolis, Visconde do Rio Branco, Belo Horizonte, Juiz de Fora. Em 1980, voltou para Divinópolis. Em 1983 estava em Belo Horizonte. Em 1984 a 1986, em Abaeté. Depois, viveu novamente em Belo Horizonte (Convento São Bernardino), Betim (Convento e Colônia) e Ubá. De volta a Divinópolis, aí residiu de 1992 a 2001. Em Betim, depois de ficar um semestre em São João Del Rei, esteve de junho de 2001 a janeiro de 2004. A sua última transferência foi Divinópolis, em 2004, onde iniciou a sua vida missionária, em 24 de outubro de 1937. Frei Alexandre Noordeloos, obrigado pela sua presença no meio de nós. Que Deus o recompense pela sua dedicação. Vamos recordar sempre do Senhor com saudades.
Frei Jacir de Freitas Faria
P/ Equipe Provincial de Comunicação
Caros Confrades,
abaixo, seguem também duas outras Notas de Falecimento, enviada por Frei Eliseu, notificando a morte de Frei Ludovico Simis e Frei Odulf Mous, ocorridas na Holanda.

FALECIMENTO DE
FREI LUDOVICUS SIMIS, OFM

Recebemos da Província da Holanda, a comunicação de que faleceu no dia 31 de agosto de 2005, em Weert , o nosso confrade frei Ludovicus Simis.

Após uma vida longa de grande fé, duma cordialidade que cativava a todos e de trabalho sem parar, faleceu frei Ludovicus com 96 anos de idade. Ele foi o nosso confrade desde 1931. De muitas maneiras, serviu à fraternidade em trabalhos variados nas nossas comunidades. Os últimos anos de sua vida, ele se encontrava na Casa de Idosos São Jerônimo, em Weert, onde foi carinhosamente tratado.

No dia 06 de setembro celebrou-se na igreja da Casa de Idosos São Jerônimo, a santa missa de exéquias seguida pelo sepultamento no cemitério da Igreja de São Martinho, de Weert.

Que nosso confrade descanse em paz! ( Ass. frei Eliseu Tijdink, ofm)

FALECIMENTO DE FREI ODULF MOUS, OFM

Recebemos da Província da Holanda, a comunicação de que faleceu no dia 2 de setembro de 2005, em Alverna/Wijchen, com a idade de quase 89 anos, o nosso confrade frei Odulf Mous.

Frei Odulf foi o nosso confrade desde 1939 Durante longos anos trabalhou como missionário em Nova Guiné (atualmente Papúa). A partir de 1993 veio morar em nossa fraternidade de Leiden e depois em Wijchen .

No dia 07 de setembro celebrou-se na capela da Casa de Idosos “La Verna” (Wijchen), a a santa missa de exéquias seguida pelo sepultamento no cemitério daquela comunidade.
Que nosso confrade descanse em paz! ( Ass. frei Eliseu Tijdink, ofm)

terça-feira, setembro 06, 2005

Texto do Frei Cristóvão: As falsas elites

O DESGASTE SEMÂNTICO: AS FALSAS ELITES

“Nem tudo que brilha é ouro”.
Na lingüística é conhecido o fenômeno de como certas palavras se desgastam, perdem sua força original, e por vezes, caem no olvido. Depois, muda-se o entorno cultural, elas voltam à tona, com todo o seu vigor e verve originais.
Veja, por exemplo, a palavra ”caridade”. Se tomarmos o seu sentido bíblico original, teríamos nela como que o núcleo duro da mensagem do Rabi da Galiléia. Veja a parábola do Bom Samaritano (Lc 10,29s), tomada por Jesus para responder a pergunta capciosa de seu interlocutor. Cabe ressaltar que para o judeus o samaritano nunca poderia ser bom no sentido de quem agiria em nome do verdadeiro Deus que os judeus admitiam só eles adoravam. Era inconcebível a um judeu pensar que um samaritano pudesse ser bom!
É conhecido e notável o hino à caridade que Paulo inseriu na sua I Carta aos Coríntios, já recitada na Liturgia da Comunidade(I Cor 13).
“Caridade” veio a significar “assistencialismo”, ganhando uma conotação pejorativa, enquanto, em última análise, vem a ser uma esmola que humilha quem a recebe e, no mais, a gente, em geral, ao praticar caridade dá algo de que não me faz falta, está sobrando lá em casa!
Fala-se, então, em solidariedade, ser solidário com o outro em sua causa que é a busca de sua libertação, independência, conquista de sua dignidade enquanto pessoa, cidadão. As experiências de uma Economia Solidária vão se multiplicando país afora. Veja agora o que se deu com a palavra: elite.
Originariamente, em termos políticos, tal como a encontramos nos escritos platônicos (A República). Platão, no seu idealismo, ele que fora assessor político, imaginava que a “Polis”, o Estado, para dar certo, ser feliz e viver em paz, devia ser administrado pelos “aristoi”, por uma elite, os “melhores”, os sábios. Homens justos e honestos isentos de toda paixão, cobiça e vaidade. .
Veja, então, o que veio a ser e constituir a elite entre nós, no mundo ocidental, capitalista, liberal, neoliberal, agora globalizado!
Temos a “elite do dinheiro” que a tudo domina e põe a seu serviço. É o assim chamado “Comando Delta”, em âmbito local, regional, nacional, mundial.
É a elite do ter e não a elite do ser! Conservadora e reacionária. Avessa a toda e qualquer perspectiva de mudança. E quando essa se torna inevitável, apela, torna-se violenta, repressora. Usa de mil e um artifícios para blindar qualquer alteração da ordem por ela imposta, que, na verdade constitui verdadeira desordem para a maioria, o povão em geral.
Caso isso se torna impossível, convoca-se o delegado, põe a polícia na rua. E se a situação tornar-se insustentável, uma vez que a Lei, a Constituição, o Estado de Direito, a ordem democrática estão ameaçados, convoca-se o Exército. E, em último caso, apela-se para a potência mundial que se arvora guardiã dos valores democráticos e cristãos, vale dizer, o direito de propriedade, a liberdade do mercado e a livre concorrência.
A disputa pelo poder no interno do Estado passa ser vital para que a pseudo-elite se conserve como elite, que, em última análise, constitui uma antielite. Outros preferem falar em oligarquia; ou então, em plutocracia.
A crise política que vivemos há mais de três meses, não passa de uma luta de poder contra poder. Tanto dentro do Partido Majoritário como no Congresso, tendo em vista as próximas eleições presidenciais-2006.
A elite econômica se arma para a reconquista do Estado e se encastela contra toda e qualquer pretensão de um avanço perigoso de um Projeto Popular que venha beneficiar a todos.Frei Cristóvão Pereira ofm